Presidente do PSD ao lado do Governo na requisição civil

O presidente do PSD disse concordar com a decisão do Governo em decretar a requisição civil de trabalhadores no caso greve nacional dos motoristas de transporte de matérias perigosas.

Presidente do PSD ao lado do Governo na requisição civil

Presidente do PSD ao lado do Governo na requisição civil

O presidente do PSD disse concordar com a decisão do Governo em decretar a requisição civil de trabalhadores no caso greve nacional dos motoristas de transporte de matérias perigosas.

Coimbra, 16 abr 2019 (Lusa) – O presidente do PSD disse hoje concordar com a decisão do Governo em decretar a requisição civil de trabalhadores no caso greve nacional dos motoristas de transporte de matérias perigosas, que começou na segunda-feira.

Em Coimbra, onde participou na tomada de posse do líder distrital, Rui Rio afirmou estar “inteiramente de acordo com a requisição civil naquilo que é absolutamente vital, nos serviços de saúde e de segurança”.

“Quanto ao resto, espero que o Governo, aqui apenas enquanto diplomata, consiga equilibrar os fatores e consiga ver se os empregados e os patrões conseguem chegar a um acordo”, referiu.

O líder do PSD disse ainda esperar que o executivo, liderado pelo socialista António Costa, “tenha capacidade de intermediação, de modo a que a greve dure o menos tempo possível”, e apelou para o bom senso entre as entidades patronais e os trabalhadores.

Rui Rio considerou ainda que a paralisação é um “braço-de-ferro entre os motoristas e as entidades patronais”, que está fora da esfera pública, e que a única coisa que o Governo pode fazer é a requisição civil para assegurar o abastecimento nos serviços fundamentais.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica

Os ministros da Administração Interna e do Ambiente e da Transição Energética declararam hoje a “situação de alerta” devido à greve, implementando medidas excecionais para garantir os abastecimentos.

Segundo uma nota do Governo enviada à Lusa, esta situação de alerta para o período compreendido entre hoje e até às 23:59 do dia 21 de abril determina a “elevação do grau de prontidão e resposta operacional por parte das forças e serviços de segurança e de todos os agentes de proteção civil, com reforço de meios para operações de patrulhamento e escolta que permitam garantir a concretização das operações de abastecimento de combustíveis, bem como a respetiva segurança de pessoas e bens”.

A nota refere ainda que o Governo também determina a “declaração de reconhecimento de crise energética, que acautele de imediato níveis mínimos nos postos de abastecimento, de forma a garantir o abastecimento de serviços essenciais, designadamente para forças e serviços de segurança, assim como emergência médica, proteção e socorro”.

AMV (AJO) // SR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS