Presidente do Egito troca 13 ministros em remodelação governamental

O Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, anunciou hoje uma remodelação governamental para melhorar o desempenho do executivo, que enfrenta desafios crescentes provocados pela guerra na Ucrânia.

Presidente do Egito troca 13 ministros em remodelação governamental

Presidente do Egito troca 13 ministros em remodelação governamental

O Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, anunciou hoje uma remodelação governamental para melhorar o desempenho do executivo, que enfrenta desafios crescentes provocados pela guerra na Ucrânia.

A remodelação, aprovada pelo Parlamento numa sessão de emergência, afeta 13 ministérios, incluindo a Saúde, Educação, Cultura, Desenvolvimento Local e Irrigação.

A reforma também abrangeu o Turismo, um setor crucial que o Egito está a tentar revitalizar após ter sido afetado por anos de turbulência, pela pandemia de covid-19 e mais recentemente pelo conflito entre Moscovo e Kiev.

Outros ministérios importantes, como os dos Negócios Estrangeiros, Finanças, Defesa e Interior, responsável pela polícia, não sofreram mudanças.

Numa mensagem na rede social Facebok, Sissi disse que a remodelação, decidida com o primeiro-ministro Mustafa Madbouly, visa “desenvolver o desempenho do Governo em alguns assuntos importantes… que contribuem para proteger os interesses e capacidades do Estado”.

Os novos ministros deverão tomar posse perante Sissi ainda hoje ou no domingo de manhã.

O Egito foi fortemente afetado pela pandemia e pela guerra na Ucrânia, que abalou os mercados mundiais e fez disparar os preços dos combustíveis e dos alimentos em todo o mundo.

O Egito é o maior importador de trigo do mundo, a maioria do qual provinha da Rússia e da Ucrânia.

O Governo do Cairo tem mantido conversações com o Fundo Monetário Internacional para obter um novo empréstimo que suporte o seu programa de reformas e ajude o país a lidar com os desafios provocados pela guerra na Europa.

Os preços dos alimentos e da energia dispararam no Egito, aumentando o fardo para os pobres e a classe média, que já suportaram o desgaste de um programa de reformas de 2016.

Esse programa, acordado com o FMI, incluiu dolorosas medidas de austeridade que provocaram um forte aumento no preço de bens e serviços essenciais.

Uma recente desvalorização da libra egípcia, que já tinha perdido metade do seu valor em 2016, provocou mais um aumento dos preços dos alimentos e de outros bens.

A taxa de inflação anual em julho foi de 14,6%, mais do dobro do mesmo mês no ano passado (6,1%), segundo estatísticas oficiais.

 

FPA // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS