Presidente angolano defende continuidade nas negociações de reescalonamento das dívidas

O Presidente angolano defendeu hoje a continuidade das negociações ao nível bilateral e multilateral para o reescalonamento das dívidas, em função da situação específica de cada país africano, que enfrentam dificuldades na reativação das suas economias.

Presidente angolano defende continuidade nas negociações de reescalonamento das dívidas

Presidente angolano defende continuidade nas negociações de reescalonamento das dívidas

O Presidente angolano defendeu hoje a continuidade das negociações ao nível bilateral e multilateral para o reescalonamento das dívidas, em função da situação específica de cada país africano, que enfrentam dificuldades na reativação das suas economias.

João Lourenço expressou a sua posição durante a sua intervenção hoje na abertura do Diálogo de Alto Nível sobre “Alimentar África: Liderança para o Incremento das Inovações bem Sucedidas”, promovido pela Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

Segundo João Lourenço, os baixos preços das matérias-primas nos mercados internacionais e o grande peso da dívida externa são fatores que dificultam a reativação das economias dos países africanos, além da fraca industrialização para o processamento dos produtos do campo, o que faz com que grande parte dos produtos alimentares processados sejam importados de outros continentes para África.

O chefe de Estado angolano sublinhou que a população rural africana está sobretudo ligada à agricultura familiar, que contribui com cerca de 70% para o abastecimento dos mercados, mas apesar disso continuar a ser o mais pobre e com maiores problemas alimentares.

A par das condicionantes que enumerou, João Lourenço frisou igualmente preocupação com os efeitos das alterações climáticas, que provocam com mais frequência a seca severa e inundações, assim como o surgimento de pragas, com impacto negativo na produção de alimentos, sublinhando a ajuda técnica da FAO no combate à praga de gafanhotos, que enfrentam algumas províncias do sul de Angola.

“Uma preocupação complementar prende-se com os aspetos nutricionais, já que continuam a estar entre as causas principais das elevadas taxas de mortalidade infantil e do aumento de casos de diabetes e da tuberculose em África”, frisou.

João Lourenço realçou que os jovens africanos têm um papel fundamental na transformação e desenvolvimento da agricultura e pescas, nesse sentido, “é importante motivar os jovens para o empreendedorismo e o agro-negócio, facilitando-lhes o acesso às terras, aos insumos, à formação, aos financiamentos, às novas tecnologias e aos mercados”.

“Permitam-me realçar aqui a grande contribuição e atenção reservadas ao meu país pelo FIDA e pelo BAD [Banco Africano de Desenvolvimento], pela aprovação e implementação de um conjunto de projetos de apoio ao desenvolvimento da agricultura familiar e à comercialização, à recuperação da agricultura e ao reforço da resiliência dos pequenos agricultores à escala familiar”, disse.

NME // RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS