O que precisa saber sobre a tomada de posse de Donald Trump

O que precisa saber sobre a tomada de posse de Donald Trump

O 45.º presidente dos Estados Unidos da América sobe finalmente ao poder. Descubra o que vai acontecer na cerimónia

Donald Trump vai oficialmente tornar-se o 45.º presidente dos Estados Unidos da América esta sexta-feira, 20 de janeiro. A eleição de Trump fez tremer o mundo, sobretudo de incredulidade e incerteza mas, salvo algumas (muitas) polémicas, até agora (quase) tudo parece correr sobre rodas. Mas, em princípio, todas as polémicas darão um passo ao lado para fazer de Trump a grande estrela.

Quer dizer, dar um passo ao lado será uma expressão exagerada, dado o sem números de manifestações, pro e anti Trump, que se esperam durante as festividades. Mas adiante, as cerimónias…

“Make America Great Again!”, tema da campanha eleitoral, será, sem grande surpresa, o tema da tomada de posse. Donald Trump e o seu vice-presidente, Mike Pence, começam já esta quinta-feira a depositar flores no Cemitério Nacional de Arlington, para de seguida acontecer um concerto “Make America Great Again!”. E depois, o que acontece sexta-feira?

A que horas é? Onde pode ver?

HORA LOCAL: 12:00
HORA PORTUGUESA: 17:00

A TVI 24 terá uma emissão especial a partir das 16h00 e a RTP 3 a partir das 15h00. Já a SIC Notícias, fará um “Especial Informação” desde as 14:00.

O que acontece?

Espera-se que a tomada de posse comece as cinco da tarde (hora portuguesa). Tudo começa na Casa Branca e depois, nas escadas do Capitólio, em frente a cerca de 800 mil pessoas (Obama teve um público de 1,8 milhões), seguem-se os juramentos e restantes tradições da tomada de posse.

À noite, por toda a Washington, vários bailes em honra do novo Presidente. Em alguns dos quais Trump, com a mulher Melania, Mike Pence e a sua esposa marcarão presença.

Quem vai atuar?

Não, não teremos bandas famosas, porque dado o sem número de artistas que criticaram Trump durante a campanha, e ainda criticam, não seria de esperar que muita gente conhecida por lá passassem. Elton John não vai, Katy Perry, Bruno Mars, Justin Timberlake, Moby, R Kelly e os Kiss também não.  Kid Rock, por seu lado, ainda pode fazer uma surpresa. O “amigo” Kanye West também não entrará na festa. Os Beach Boys, sem Brian Wilson, também foram sondados.

Pasme-se, até uma banda de tributo a Bruce Springsteen saltou fora da festa. Alec Baldwin, que tanto irritou Donald Trump com as suas imitações no Saturday Night Live, ofereceu-se, em jeito de piada, ou talvez não, para uma performance na tomada de posse. Um coro, um famoso grupo de dançarinas que remonta aos anos 30 e uma estrela jovem de um “America’s Got Talent” são os headliners musicais, juntamente com o músico country Toby Keith e os 3 Doors Down.

Tomada de posse abençoada e segura?

E se festa molhada é festa abençoada, Trump poderá ter essa “sorte”. Espera-se chuva em Washington, existe 70% de chances de tal acontecer, e estarão entre 7 a 9 graus com a humidade a rondar os 85%.

A tomada de posse será marcada pela segurança. Esperam-se, por exemplo, cerca de 28 mil agentes dos serviços secretos para controlar as cerca de 100 manifestações. E estas são só as esperadas.

Quanto custa?

Em termos de dinheiro, espera-se que tudo custe à volta de 190 milhões de euros. Só 85 milhões de euros vêm de privados, uns por generosidade, outros por vontade, mais alguns por quererem cair nas boas graças de Donald Trump.

Já o bilhete mais caro para “Inauguration”, como lhe chamam os norte-americanos, custa cerca de 950 mil euros e inclui um jantar à luz das velas. Donald e Melania Trump também marcam presença durante algum tempo nessa refeição, claro.

Quem vai estar presente?

Barack e Michelle Obama, obviamente. Bill e Hillary Clinton, o histórico Jimmy Carter e a esposa, bem como George W Bush e a sua mulher. George Bush pai está internado e não vai comparecer, assim como a mulher. Jon Voight, pai de Angelina Jolie, é uma das poucas figuras de Hollywood que apoia Donald e vai marcar presença.

Em suma, é oficial: na próxima sexta-feira, dia 20 de janeiro, começam alguns dos 4 anos mais imprevisíveis dos E.U.A e do planeta.


RELACIONADOS