Marcelo diz que é preciso “tudo fazer” para “defender a liberdade”

O Presidente da República disse hoje, no Porto e numa cerimónia com líderes e representantes de várias confissões religiosas, que é preciso “tudo fazer” para “defender a liberdade”.

Marcelo diz que é preciso

Marcelo diz que é preciso “tudo fazer” para “defender a liberdade”

O Presidente da República disse hoje, no Porto e numa cerimónia com líderes e representantes de várias confissões religiosas, que é preciso “tudo fazer” para “defender a liberdade”.

O Presidente da República disse hoje, no Porto e numa cerimónia com líderes e representantes de várias confissões religiosas, que é preciso “tudo fazer” para “defender a liberdade”, num tempo em que “é tão sedutor encontrar bodes expiatórios”.

“Apelo para que, em salutar diálogo e convergência de propósitos, tudo façamos para defender a liberdade, a tolerância e a compreensão mútua, num tempo em que é tão sedutor dividir e catalogar, encontrar bodes expiatórios, acusar sem fundamento, marginalizar sem humanidade”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República, que tomou hoje posse para um segundo mandato depois de ter vencido as eleições Presidenciais que decorreram a 24 de janeiro, falava na Câmara Municipal do Porto, onde presidiu a uma a cerimónia ecuménica que contou com a participação de representantes de mais de uma dúzia de confissões religiosas presentes em Portugal.

“Portugal agradece o vosso contributo ao longo de um ano de pandemia. [O contributo] dado a milhares e milhares de Portugal. Portugal pede-vos um novo contributo por palavras e por obras para a pacificação dos espíritos, a aceitação do diferente, a aceitação do diverso, a aceitação do estranho”, disse o Presidente da República que antes da cerimónia reuniu com o presidente da autarquia do Porto, o independente Rui Moreira, numa sessão à porta fechada que durou cerca de uma hora.

O programa de tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa teve início esta manhã com uma cerimónia na Assembleia da República, à qual se seguiu a deposição de coroas de flores nos túmulos de Luís de Camões e Vasco da Gama, no Mosteiro dos Jerónimos, entre outros momentos.

A segunda parte do programa de tomada de posse estava reservada para a cidade do Porto, onde o chefe de Estado chegou cerca das 13:45 e foi surpreendido por uma manifestação de trabalhadores da Groundforce no aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Já aos Paços do Concelho, na Avenida dos Aliados, Marcelo Rebelo de Sousa chegou às 14:30, tendo sido recebido pelo presidente da câmara com o qual entrou no edifício, mas não sem antes acenar as poucas pessoas que o aguardavam à porta.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS