PR de Cabo Verde diz-se “privilegiado” por presença no Conselho de Estado português

O Presidente cabo-verdiano disse hoje que se sente privilegiado pela presença na sexta-feira no Conselho de Estado português, que vai debater assuntos relacionados com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), cuja presidência rotativa é atualmente de Cabo Verde.

PR de Cabo Verde diz-se

PR de Cabo Verde diz-se “privilegiado” por presença no Conselho de Estado português

O Presidente cabo-verdiano disse hoje que se sente privilegiado pela presença na sexta-feira no Conselho de Estado português, que vai debater assuntos relacionados com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), cuja presidência rotativa é atualmente de Cabo Verde.

“Sou convidado especial do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa para estar presente numa reunião do Conselho de Estado de Portugal, sobretudo na qualidade de presidente em exercício da CPLP, começou por dizer Jorge Carlos Fonseca, na cidade da Praia, após um encontro na Presidência da República com lavadores de carros da capital do país.

Integram a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

“Terei todo o gosto e serei um privilegiado de fazer uma comunicação para o Conselho de Estado português, sobre a minha visão da CPLP, sobre dossiês muito importantes, como por exemplo o acordo da integração comunitária, ou da mobilidade, outras questões sobre a cooperação no plano económico, da cultura, o problema dos estudantes, do relacionamento entre os países-membros da CPLP”, prosseguiu o chefe de Estado cabo-verdiano.

Jorge Carlos Fonseca disse que a questão da mobilidade na CPLP vai ser o essencial da sua comunicação, tento em conta que há uma proposta cabo-verdiana que está a ser discutida.

“Se nós queremos cooperação económica, cultural, intercâmbio de desportistas, cooperação universitária, tudo isso supõe mobilidade”, salientou o Presidente de Cabo Verde, para quem o país já avançou “grandemente” e está “empenhadíssimo” nesse dossiê.

“Ninguém nos pode retirar esse mérito de, pela primeira vez, termos uma convenção quadro, com um articulado, com propostas que estão a ser discutidas a nível dos ministros, dos embaixadores, dos técnicos, para ver se conseguimos, a nível dos nove, um mínimo de acordo para que haja uma CPLP mais dos cidadãos do que dos Estados”, enfatizou.

Jorge Carlos Fonseca disse ainda que vai ser uma ocasião muito honrosa para ele, mas sobretudo para Cabo Verde, por o Conselho de Estado, que se realiza na sexta-feira, ser uma reunião normalmente muito restrita em Portugal.

Esta é a primeira vez que Jorge Carlos Fonseca participa num Conselho de Estado fora de Cabo Verde, a convite do seu homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa.

O Conselho de Estado é o órgão de consulta do Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa.

Este órgão é composto pelo primeiro-ministro, o presidente do Tribunal Constitucional, o Provedor de Justiça, os presidentes dos governos regionais, os antigos presidentes da República, cinco cidadãos eleitos pela Assembleia e mais cinco designados pelo Presidente da República, pelo período correspondente à duração do seu mandato.

Além do Conselho de Estado, Jorge Carlos Fonseca avançou que vai ter uma reunião com Marcelo Rebelo de Sousa, na qual se vai falar sobre estudantes, as relações entre os dois países, a CPLP, o processo eleitoral na Guiné-Bissau ou a Guiné Equatorial.

Um estudante cabo-verdiano foi encontrado sozinho caído numa rua em Bragança em 21 de dezembro e acabou por morrer 10 dias depois, num hospital do Porto.

A morte do jovem, que tinha chegado à região há pouco mais de um mês para estudar na escola de Mirandela do Instituto Politécnico de Bragança, motivou reações institucionais de Portugal e Cabo Verde.

RIPE // SR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS