PR confessa que “não esperava tanta gente” nas comemorações do 10 de Junho

O Presidente da República confessou hoje que “não esperava tanta gente” nas comemorações do 10 de Junho, que este ano centraram-se em Braga, e fez questão de cumprimentar os ex-combatentes antes de deixar a cidade rumo a Londres.

PR confessa que

PR confessa que “não esperava tanta gente” nas comemorações do 10 de Junho

O Presidente da República confessou hoje que “não esperava tanta gente” nas comemorações do 10 de Junho, que este ano centraram-se em Braga, e fez questão de cumprimentar os ex-combatentes antes de deixar a cidade rumo a Londres.

“Foi talvez o 10 de Junho mais participado”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa no final da cerimónia militar que marcou o dia de hoje das comemorações do Dia de Portugal, das Comunidades e da Língua Portuguesa, em Braga.

O chefe de Estado mostrou-se surpreendido com a participação da população, que encheu os locais possíveis na principal avenida da capital do Minho, a Av. da Liberdade, encheu as varandas, aplaudiu os discursos e ovacionou os militares que desfilaram durante cerca de uma hora rua acima e rua abaixo.

Os primeiros a desfilar, e um dos momentos mais aplaudidos da cerimónia, foram os ex-combatentes, cerca de 60. No final, Marcelo Rebelo de Sousa percorreu a avenida até ao local da tribuna onde o grupo estava para os cumprimentar.

“É uma homenagem muito especial, são o melhor de todos nós. São anos e anos de vida que deram à pátria e aqui estão a desfilar. Não é por acaso que começam eles o desfile, é uma forma de homenagem ao nosso passado, sempre presente”, afirmou o chefe de Estado.

Depois de vários cumprimentos e trocas de elogios entre o chefe de Estado e os ex-militares, um repto foi lançado ao Presidente: “Presidente, vamos à sua terra beber um copinho”, desafiou um ex-militar, que não ficou sem resposta.

“Hoje não dá mas combinamos e vamos”, respondeu o Presidente.

Antes, num discurso com cerca de 15 minutos, que não contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa, por motivos de saúde, mas ao qual assistiu o presidente da Assembleia da República, a ministra da Defesa, o ministro dos Negócios Estrangeiros, lideres partidários e vários deputados, Marcelo Rebelo de Sousa deixou elogios a Braga e ao povo português.

“Portugueses, Braga recebe hoje, muitos anos depois, de novo, o 10 de Junho, o Dia de Portugal, de Camões, das Comunidades e das Forças Armadas, o dia do povo português. Porque Portugal é o seu povo, Camões cantou esse povo, as comunidades são o povo espalhado pelo mundo, as Forças Armadas são o povo armado para servir Portugal”, disse.

Segundo o Presidente da República, “é justo e natural que Braga, o Minho, celebrem o nosso povo (…) um pilar essencial da nossa portugalidade, muitos, muitos séculos antes de haver Portugal”.

“Aqui, neste Minho onde nos encontramos, irrompeu a aventura coletiva de nos separarmos do Reino de Leão, de nos apartarmos dos nossos irmãos galegos, de arrancarmos do galaico-português para a nossa língua de futuro. (…) De avançarmos para o sul, de nunca mais pararmos na nossa afirmação nacional”, disse.

A evocação do povo português foi uma das constantes do discurso de Marcelo Rebelo de Sousa: “O povo sempre presente, na sua fé cristã, mas também abraçando outras fés e a liberdade de ter ou não fé (…) Presente, naquele tempo primeiro de dar a sua vida (…) pelo seu rei, pela sua independência”, referiu.

“É o povo português a razão de sermos o que somos e como somos, de sermos Portugal, viva o povo português, vivam os portugueses de ontem, de hoje e de sempre onde quer que façam Portugal. Viva o nosso querido Portugal”, terminou.

As comemorações continuam agora em Londres, junto da comunidade portuguesa naquela cidade.

JCR/VCP/IEL// SF

Lusa/Fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS