PR chinês sublinha

PR chinês sublinha “pontos de convergência e interesses comuns”

O Presidente chinês voltou a destacar hoje à noite os “pontos de convergência e interesses comuns” entre Portugal e a China, no discurso do jantar oficial oferecido pelo seu homólogo.

Lisboa, 04 dez (Lusa) — O Presidente chinês voltou a destacar hoje à noite os “pontos de convergência e interesses comuns” entre Portugal e a China, no discurso do jantar oficial oferecido pelo seu homólogo português e que decorreu no palácio da Ajuda.

“Os pontos de convergência e os interesses comuns no aprofundamento das relações bilaterais estão a aumentar constantemente, e a amplitude e a profundidade da nossa cooperação são inéditas”, sublinhou na intervenção, ao lado de Marcelo Rebelo de Sousa.

No início do discurso, uma versão escrita a que a Lusa teve acesso, e após os agradecimentos formais, o líder chinês destacou a “história e civilização longa” a “herança cultural rica” de Portugal, e definiu o povo português como “trabalhador, sábio, aberto e inclusivo” com espírito empreendedor e pioneiro”, contribuindo “para o progresso da humanidade e ao intercâmbio entre as culturas orientais e ocidentais”.

Xi Jinping recordou a chegada dos portugueses à China, recordou Tomás Pereira “que introduziu na China estudos e conhecimentos ocidentais”, José de Espinha, que “ocupou o cargo de diretor do departamento de astronímia durante a dinastia Qing” ou a introdução na Europa, pelos portugueses, da “porcelana com heráldica”.

O líder chinês assinalou ainda a importância do estabelecimento das relações diplomáticas bilaterais em 1979, a forma como os dois países, em 1999, “resolveram de forma apropriada a questão de Macau através de consultas amigáveis”, ou o estabelecimento pelos dois países em 2005 da Parceria Estratégica Global.

No seu discurso, o chefe de Estado chinês congratulou-se com o “enriquecimento do conteúdo estratégico das relações sino-portuguesas”, existência de uma “confiança política mútua” e uma “cooperação pragmática” em vários domínios.

Xi Jinping, após citar um provérbio chinês e fazer referência às “mil e uma maneiras de cozinhar bacalhau” em Portugal, enfatizou a “capacidade de aceitar e aprender tudo que é bom e inovar com base nisso” e que “está nos genes das culturas chinesa e portuguesa”, uma “força motriz originar que os chineses e portugueses dispõe para criar um futuro brilhante”.

Ao recordar os 40 anos de relações diplomáticas que se celebram em 2019, o Presidente da China desejou “um bom uso dessa oportunidade” pelo “reforço da confiança política mútua”, uma “maior sinergia entre as estratégias de desenvolvimento na perspetiva do projeto “Uma Faixa e Uma Rota” e que perspetive uma “nova jornada de desenvolvimento” na Parceria estratégica bilateral.

O discurso terminou com um brinde “à prosperidade da República Portuguesa”, à “amizade entre os povos de Portugal e China”, à “saúde” do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e à de “todos os amigos presentes”.

O Presidente da China, Xi Jinping, termina na quarta-feira uma visita oficial de dois dias a Portugal com a assinatura de diversos acordos bilaterais.

O Presidente chinês e a sua delegação vão ser recebidos na Assembleia da República por Eduardo Ferro Rodrigues, seguindo depois para o Palácio de Queluz, onde Xi Jinping manterá um encontro bilateral com primeiro-ministro português, António Costa, antes da sua partida ao início da tarde.

A viagem de Xi Jinping a Lisboa é a primeira visita oficial de um chefe de Estado chinês a Portugal desde outubro de 2010, quando o então Presidente da China, Hu Jintao, veio promover a Parceria Estratégica Global entre Portugal e a China.

Xi Jinping também veio antecipar início das comemorações do Ano da China em Portugal e do Ano de Portugal na China e recordar os 40 anos das relações diplomáticas entre os dois países.

PCR // EL

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

PR chinês sublinha “pontos de convergência e interesses comuns”

O Presidente chinês voltou a destacar hoje à noite os “pontos de convergência e interesses comuns” entre Portugal e a China, no discurso do jantar oficial oferecido pelo seu homólogo.