Portugal destaca sucesso de Angola na intermediação do conflito na RDCongo

O Governo português destacou hoje o sucesso de Angola na intermediação do conflito entre a República Democrática do Congo e o Ruanda, considerando que esta intervenção tem travado um maior agravamento das tensões.

Portugal destaca sucesso de Angola na intermediação do conflito na RDCongo

Portugal destaca sucesso de Angola na intermediação do conflito na RDCongo

O Governo português destacou hoje o sucesso de Angola na intermediação do conflito entre a República Democrática do Congo e o Ruanda, considerando que esta intervenção tem travado um maior agravamento das tensões.

“Angola é, neste momento, um ator respeitado a nível regional e a nível global, tem exercido um papel preponderante na estabilização pacífica no continente. O papel que tem desempenhado na região dos Grandes Lagos deve ser destacado e elogiado”, disse o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Francisco André, em entrevista à agência Lusa, em Luanda.

O governante está na capital angolana para participar na 10.ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Organização dos Estados da África, Caraíbas e Pacífico (OEACP), em que Portugal foi convidado a participar.

“É com grande satisfação que aceitámos o convite para participar e assistir às discussões e contactar os vários Estados que vão participar”, afirmou, considerando que a cimeira é um bom exemplo do papel que Angola tem hoje no plano internacional.

Francisco André salientou também a relevância de Angola como estabilizador, a nível político-diplomático, na República Centro-Africana.

O governante sublinhou que a cimeira, em que Angola vai assumir a presidência da organização que reúne 79 países, é também um reconhecimento da capacidade de liderança que o país africano exerce neste momento.

Angola tem sido mediador do conflito entre a República Democrática do Congo e o Ruanda, devido aos ataques do movimento rebelde M23, que Kinshasa diz ser apoiado pelos ruandeses, no leste da RDCongo.

Em 23 de novembro, o Presidente angolano, João Lourenço, organizou uma cimeira em Luanda onde recebeu os responsáveis dos dois países, bem como representantes de outros países e organizações africanas, tendo sido alcançado um acordo para um cessar-fogo que, no entanto, não está a ser cumprido pelos rebeldes, acusados de estar a massacrar civis.

Para Francisco André, não se trata de um fracasso. Pelo contrário, “é assinalável, o sucesso que Angola tem imprimido a essas negociações”, já que devido à intervenção de Angola enquanto mediador tem-se evitado um resvalar do conflito.

“É um processo difícil, bastante complexo, mas onde o papel de Angola tem sido bastante evidenciado. Se não fosse o papel de mediador, de estabilizador político diplomático de Angola, o conflito estaria em momentos mais difíceis”, observou.

“Acho que o papel que Angola tem desempenhado tem sido bastante importante e deve ser reconhecido o esforço das autoridades angolanas, da parte do ministro das Relações Exteriores e do Presidente da República, para estabilizar e pacificar o conflito entre os dois países”, acrescentou o secretário de Estado.

Portugal, por seu lado, vai aproveitar a cimeira para reforçar laços bilaterais com muitos dos países que fazem parte da organização e “continuar a construir pontes”, segundo o mesmo responsável, salientando que Portugal tem trazido sempre um valor acrescentado a nível do respeito pelos direitos, liberdades e garantias e do apelo à paz “num momento internacional complexo” devido à guerra na Europa causada pela invasão da Ucrânia por parte da Rússia, condenada pelo Estado português.

Francisco André manteve hoje vários encontros bilaterais e reuniu-se com o ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida, mas o tema dos direitos humanos, cujo dia internacional se celebra no sábado, não foi abordado.

“Essas questões não foram abordadas, Angola tem instituições fortes, bastante consolidadas, é um Estado de direito e tem sabido gerir o desenvolvimento de forma muito capaz e num esforço que nós temos vindo a apoiar”, disse à Lusa, escusando imiscuir-se em “temas da vida política angolana”.

 

RCR // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS