Polícia dispersa multidão à volta de caixão de jornalista palestiniana morta

Uma cena de violência irrompeu junto do hospital St. Joseph, em Jerusalém, quando a jornalista palestiniana assassinada Shireen Abu Akleh estava a ser transportada num caixão, obrigando a polícia israelita a dispersar a multidão.

Polícia dispersa multidão à volta de caixão de jornalista palestiniana morta

Polícia dispersa multidão à volta de caixão de jornalista palestiniana morta

Uma cena de violência irrompeu junto do hospital St. Joseph, em Jerusalém, quando a jornalista palestiniana assassinada Shireen Abu Akleh estava a ser transportada num caixão, obrigando a polícia israelita a dispersar a multidão.

Imagens transmitidas pela TV Palestina mostraram o caixão da repórter da Al Jazeera – assassinada a tiro durante um ataque israelita na Cisjordânia ocupada, na quarta-feira — a ser empurrado, enquanto a polícia dispersava a multidão empunhando bandeiras da Palestina, protestando contra a ação das forças militares israelitas.

Horas antes desta manifestação de protesto de palestinianos em Jerusalém, o exército israelita anunciou que não é possível, para já, determinar a origem do tiro que matou a jornalista, segundo as conclusões de um inquérito preliminar ao caso.

A repórter da Al Jazeera foi morta com um tiro no rosto, quando se encontrava a fazer a cobertura do conflito entre forças israelitas e palestinianas, vestida com um colete e um capacete que a identificavam como jornalista.

“A conclusão do relatório preliminar é que não é possível determinar a origem do tiro que atingiu e matou a repórter”, disse o exército, num comunicado, admitindo que o disparo pode ter partido de forças palestinianas ou israelitas.

RJP // SCA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS