PM japonês adverte que a Ásia se pode tornar “na Ucrânia de amanhã”

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, advertiu hoje que “a Ásia poderá tornar-se na Ucrânia de amanhã”, no final de uma visita oficial aos Estados Unidos que completou o seu périplo pelos países do G7.

PM japonês adverte que a Ásia se pode tornar

PM japonês adverte que a Ásia se pode tornar “na Ucrânia de amanhã”

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, advertiu hoje que “a Ásia poderá tornar-se na Ucrânia de amanhã”, no final de uma visita oficial aos Estados Unidos que completou o seu périplo pelos países do G7.

O chefe do Governo nipónico indicou ter manifestado junto dos dirigentes do G7 — integrado pelos Estados Unidos, Alemanha, França, Reino Unido, Itália, Canadá e Japão — o seu “forte sentimento de crise em termos de segurança para a Ásia oriental”.

Fumio Kishida, cujo país preside durante este ano ao G7, deslocou-se numa semana a cada um dos Estados-membros à exceção da Alemanha, por questões de agenda, mas assegurou que pretende visitar Berlim em breve.

“A lição a extrair da Ucrânia é que a segurança da Europa e da região do indo-pacífico são inseparáveis”, indicou no decurso de uma conferência de imprensa um dia após o seu encontro com o Presidente dos EUA, Joe Biden.

“A situação em torno do Japão é cada vez mais grave, entre as tentativas de alterar pela força o ‘staus quo’ no mar da China oriental e no mar da China do Sul, e a promoção pela Coreia do Norte de atividades nucleares e de disparos de mísseis”, considerou.

O líder nipónico fazia alusão ao empenho da China de aumentar o seu envolvimento numa ampla zona marítima em disputa, e que tem originado fricções com o Japão, as Filipinas e o Vietname.

A região também está suspensa pelas tensões em torno de Taiwan, a ilha que Pequim reivindica como parte integrante do país.

A deslocação de Fumio Kishida a Washington segue-se a uma decisão inédita de um país que se reivindica pacifista desde o final da Segunda Guerra Mundial.

O Japão anunciou que pretende duplicar o seu investimento na área da Defesa durante os próximos cinco anos.

Os dirigentes do G7 vão reunir-se em maio para a sua cimeira anual em Hiroxima, onde em 06 de agosto de 1945 os Estados Unidos lançaram uma bomba atómica no primeiro ataque nuclear da História. A cidade é também um bastião eleitoral do primeiro-ministro japonês.

PCR // TDI

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS