PM de Cabo Verde afirma que Guiné Equatorial vai abolir pena de morte este ano

PM de Cabo Verde afirma que Guiné Equatorial vai abolir pena de morte este ano

O primeiro-ministro cabo-verdiano afirmou hoje que a pena de morte na Guiné Equatorial será abolida até ao final do ano, informação que disse ter recebido do Presidente equato-guineense, em visita oficial a Cabo Verde.

Ulisses Correia e Silva falava aos jornalistas no final de uma visita de cortesia ao chefe de Estado da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, que está instalado num hotel da cidade da Praia, onde recebeu o primeiro-ministro cabo-verdiano.

No final do encontro, o chefe do Governo de Cabo Verde congratulou-se com “a decisão da Guiné Equatorial de abolir a pena de morte, decisão que vai ser concretizada este ano”.

“O Presidente [Teodoro Obiang] assegura que o conjunto de reformas institucionais para tornar a Guiné Equatorial um Estado democrático respeitado será implementado, o que é uma boa notícia para Cabo Verde e para a CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa]”, adiantou.

Segundo Ulisses Correia e Silva, o diálogo com Teodoro Obiang incluiu uma conversa sobre “os esforços e investimento necessários na língua portuguesa, tendo em conta que a Guiné Equatorial é um país da CPLP”.

“Há um engajamento reforçado, ao nível da possibilidade de existirem professores cabo-verdianos ou portugueses na Guiné Equatorial, conforme as possibilidades desse país”, referiu o primeiro-ministro de Cabo Verde, país que assume este ano a presidência rotativa da CPLP.

Está ainda a ser analisada a possibilidade de estudantes da Guiné Equatorial frequentarem cursos em Cabo Verde, através de “uma parceria especial que vai ser desenvolvida com o Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP), sediado na cidade da Praia, para que a assunção desse compromisso firme da integração plena da Guiné Equatorial seja uma realidade”.

Para Ulisses Correia e Silva, estes são “progressos evidentes” que a Guiné Equatorial está a fazer.

“Há uma declaração inequívoca [sobre a abolição da pena de morte] do Presidente da República da Guiné Equatorial, um prazo fixado. Tudo aponta que será concretizado ainda este ano. E além disso, outras reformas de natureza política se seguirão”, declarou.

O chefe de Estado da Guiné Equatorial chegou segunda-feira a Cabo Verde, onde foi recebido pelo seu homólogo cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca.

Na noite de segunda-feira, o Presidente de Cabo Verde ofereceu um banquete a Teodoro Obiang no Palácio da Presidência da República.

Na ocasião, Jorge Carlos Fonseca manifestou “total disponibilidade para continuar a contribuir para a plena integração” da Guiné Equatorial na CPLP, “seus princípios e valores”.

E saudou, em particular, o propósito “claramente manifestado” por Teodoro Obiang de “ver abolida a pena de morte na Guiné Equatorial ainda durante este ano de 2019”.

Após a visita de Ulisses Correia e Silva, o Presidente da Guiné Equatorial visitou a Assembleia Nacional, tendo ainda previstas visitas ao Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI) e ao Data Center.

À tarde, a comitiva desloca-se à Cidade Velha, para um percurso guiado com o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, antes de uma visita ao Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI) e à Escola de Hotelaria e Turismo.

SMM/RYPE // PVJ

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

PM de Cabo Verde afirma que Guiné Equatorial vai abolir pena de morte este ano

O primeiro-ministro cabo-verdiano afirmou hoje que a pena de morte na Guiné Equatorial será abolida até ao final do ano, informação que disse ter recebido do Presidente equato-guineense, em visita oficial a Cabo Verde.