PM britânico foca discurso na ONU na tecnologia e compara ‘Brexit’ a mito grego

O primeiro-ministro britânico destacou no discurso proferido na Assembleia-Geral da ONU, os benefícios e os riscos da tecnologia e ironizou sobre o ‘Brexit’, que comparou ao mito grego de Prometeu.

PM britânico foca discurso na ONU na tecnologia e compara 'Brexit' a mito grego

PM britânico foca discurso na ONU na tecnologia e compara ‘Brexit’ a mito grego

O primeiro-ministro britânico destacou no discurso proferido na Assembleia-Geral da ONU, os benefícios e os riscos da tecnologia e ironizou sobre o ‘Brexit’, que comparou ao mito grego de Prometeu.

Nações Unidas, Nova Iorque, 25 set 2019 (Lusa) – O primeiro-ministro britânico destacou na terça-feira, no primeiro discurso proferido na na Assembleia-Geral da ONU, os benefícios e os riscos da tecnologia e ironizou sobre o ‘Brexit’, que comparou ao mito grego de Prometeu.

Na intervenção no debate geral da 74.ª sessão da Assembleia-geral da ONU, Boris Johnson afirmou que era costume o primeiro-ministro britânico ir às Nações Unidas e comprometer-se com a defesa das normas de um mundo pacífico, com a proteção da navegação livre no Golfo e com uma solução de dois Estados no Médio Oriente.

A Assembleia-geral da ONU começou na terça e decorre até 30 de setembro com a presença de cerca de 150 chefes de Estado e de Governo.

Quanto a estas questões, o líder do Governo britânico limitou-se a dizer ter “orgulho nisso”, para concentrar todo o discurso na importância da ética por trás das tecnologias que estão a revolucionar o mundo, e que tanto podem ser usadas para o bem, como para exercer opressão, controlo e limitar a liberdade dos cidadãos.

“Está em jogo se alcançamos um mundo orwelliano [numa referência ao escritor George Orwell] dedicado à repressão, censura e controlo, ou um mundo de emancipação, debate e aprendizagem, em que a tecnologia acaba com a fome e as doenças, mas não com as liberdades”, disse.

Durante os cerca 15 minutos de um discurso, que animou várias vezes a audiência, Johnson foi dando vários exemplos de aplicações positivas e negativas de tecnologias, como robôs que ajudam idosos ou de telefones que controlam movimentos.

“Queremos ser líderes globais na tecnologia responsável”, disse o primeiro-ministro britânico, afirmando que “Londres tem o maior setor tecnológico da Europa” preparado para utilizar a tecnologia para prevenir e curar doenças, transformar as cidades e o clima.

É “um instinto humano ter medo do avanço tecnológico”, apontou, reiterando ser totalmente a favor destes avanços.

“Rejeito totalmente esse pessimismo anticientífico. Sou otimista por natureza em termos da capacidade das novas tecnologias para nos ajudarem e redesenhar o mundo de uma maneira milagrosa e benigna”, afirmou Boris Johnson.

O líder britânico acabou por comparar a experiência do “Brexit” [saída do Reino Unido da UE] com o mito grego de Prometeu.

“Qualquer avanço científico é um castigo dos deuses”, afirmou Boris Johnson, para explicar que Prometeu deu o fogo à humanidade e, como castigo dos deuses, foi acorrentado “enquanto uma águia picava o seu fígado de novo e de novo, durante toda a eternidade”.

“O que pode parecer a experiência do ‘Brexit’ no Reino Unido se alguns parlamentares conseguissem o que queriam”, disse.

Estas declarações chegam horas depois de o Supremo Tribunal britânico ter julgado ilegal a suspensão do Parlamento decidida por Boris Johnson, até duas semanas antes do prazo para a saída do país da UE.

Na leitura da decisão, a juíza, Brenda Hale, disse que “a decisão de aconselhar Sua Majestade [a rainda Isabel II] a suspender o Parlamento foi ilegal por ter o efeito de frustrar ou impedir a capacidade do Parlamento de desempenhar as funções constitucionais sem uma justificação razoável”.

O Parlamento britânico vai retomar os trabalhos hoje, às 11:30 (mesma hora em Lisboa), sem o debate semanal com o primeiro-ministro britânico, mas com a possibilidade de “perguntas urgentes, declarações de ministros e pedidos de debates de urgência”, anunciou o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow.

MIM // EJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS