PIB de França recua 9,4% este ano e retoma crescimento em 2021 – Bruxelas

A economia francesa deverá contrair-se 9,4% este ano, devendo crescer 5,8% em 2021, prevê a Comissão Europeia, melhorando a estimativa para 2020 avançada no verão (-10,6%).

PIB de França recua 9,4% este ano e retoma crescimento em 2021 - Bruxelas

PIB de França recua 9,4% este ano e retoma crescimento em 2021 – Bruxelas

A economia francesa deverá contrair-se 9,4% este ano, devendo crescer 5,8% em 2021, prevê a Comissão Europeia, melhorando a estimativa para 2020 avançada no verão (-10,6%).

De acordo com as previsões económicas do outono da Comissão Europeia, hoje divulgadas, o Produto Interno Bruto (PIB) francês deverá cair 9,4% em 2020, estimando-se que cresça 5,8% em 2021 e 3,1% em 2022.

Nas previsões intercalares do verão, em julho, Bruxelas tinha avançado com uma quebra de 10,6% na economia francesa, este ano, e uma recuperação de 7,6% para 2021.

“O PIB da França deverá diminuir acentuadamente em 2020. Apoiada por medidas fiscais destinadas a assegurar liquidez às empresas e a proteger o emprego em 2020 e pelo plano de recuperação em 2021 e 2022, a atividade económica deverá recuperar lentamente”, lê-se no documento.

A contração económica em 2020 deve-se à pandemia de covid-19, tendo o impacto do surto sido concentrado no segundo trimestre, devido às medidas de confinamento.

Para o último trimestre do ano, o executivo comunitário antecipa que o PIB francês volte a diminuir, depois de alguma recuperação no anterior, “devido ao impacto de novas restrições devidas ao ressurgimento das infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2.

“Prevê-se que o consumo privado diminua mais acentuadamente devido à imposição do recolher obrigatório”, destaca Bruxelas, salientando que os efeitos poderão persistir no primeiro trimestre de 2021.

O défice público francês deverá aumentar para 10,5% do PIB em 2020, antes de diminuir para 8,3% em 2021 e 6,0% em 2022, num cenário de políticas inalteradas.

A dívida pública, por seu lado, chegará em 2020 aos 11,9% do PIB, continuando a aumentar para os 117,8% em 2021 e os 119,4% em 2022.

O desemprego deverá fixar-se nos 8,5% este ano, devendo a taxa agravar-se para os 10,7% em 2021 e fixar-se nos 10,0% em 2022.

Para a taxa de inflação, Bruxelas prevê que esta seja de 0,5% este ano (acima dos 0,3% avançados no verão), de 0,9% em 2021 e de 1,5% em 2022.

Para 2021, Bruxelas antecipa, para além do primeiro trimestre “uma recuperação relativamente forte”, com o plano nacional de recuperação a prever “um apoio significativo” à atividade empresarial no próximo ano.

IG // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS