Pelo menos 27 mortos em atentado suicida no Irão, segundo um novo balanço

Vinte e sete membros dos Guardiães da Revolução iranianos foram hoje mortos num atentado suicida contra o autocarro que os transportava de uma missão de patrulha na fronteira, indicou o exército de elite do regime do Irão em comunicado.

Pelo menos 27 mortos em atentado suicida no Irão, segundo um novo balanço

Pelo menos 27 mortos em atentado suicida no Irão, segundo um novo balanço

Vinte e sete membros dos Guardiães da Revolução iranianos foram hoje mortos num atentado suicida contra o autocarro que os transportava de uma missão de patrulha na fronteira, indicou o exército de elite do regime do Irão em comunicado.

O atentado ocorreu na estrada entre as localidades de Khash e Zahedan, na província de Sistão-Baluchistão, no sudeste do país, segundo a agência noticiosa oficial Irna, que antes indicara um balanço de 20 mortos.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano garantiu hoje que o Irão vingará o atentado contra a Guarda Revolucionária que fez pelo menos 27 mortos e 20 feridos e acusou “países da região” de apoiarem o grupo terrorista que o perpetrou.

“Os militares e os serviços secretos da nação do Irão, que não têm medo de morrer, vingarão sem dúvida o sangue destes mártires”, disse em comunicado o porta-voz do ministério, Bahram Qasemi.

O porta-voz sublinhou também que este ataque reforçará a determinação do Irão “em continuar a luta contra o terrorismo na região”, referindo-se ao apoio prestado por assessores dos Guardiães da Revolução ao regime sírio do Presidente Bashar al-Assad.

Qasemi condenou este “ato inumano” e denunciou que o grupo terrorista que reivindicou a sua autoria “conta com o apoio militar, financeiro e intelectual de alguns dos países da região”.

Segundo vários meios de comunicação social iranianos, o grupo extremista Yeish al-Adl reivindicou o atentado.

Por sua vez, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohamad Yavad Zarif, escreveu na rede social Twitter: “Não é uma coincidência que o Irão tenha sido atacado pelo terrorismo no mesmo dia em que começa o circo de Varsóvia?”.

“Parece que os Estados Unidos tomam sempre as mesmas decisões erradas, mas esperam resultados diferentes”, acrescentou, referindo-se à conferência sobre segurança no Médio Oriente que hoje começou na capital da Polónia e que as autoridades iranianas consideram uma tentativa dos Estados Unidos para criar uma coligação contra o Irão.

ANC // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS