Pelo menos 24 civis foram encontrados mortos em carros no nordeste da Ucrânia

Pelo menos 24 civis, incluindo 13 crianças, foram encontrados mortos a tiro em viaturas, no nordeste da Ucrânia, perto de Kupyansk, anunciou hoje o governador regional, Oleg Synegoubov.

Pelo menos 24 civis foram encontrados mortos em carros no nordeste da Ucrânia

Pelo menos 24 civis foram encontrados mortos em carros no nordeste da Ucrânia

Pelo menos 24 civis, incluindo 13 crianças, foram encontrados mortos a tiro em viaturas, no nordeste da Ucrânia, perto de Kupyansk, anunciou hoje o governador regional, Oleg Synegoubov.

“Uma caravana de carros com civis mortos a bordo foi descoberto”, informou o governador, na sua conta da rede social Telegram, reportando a morte de “24 pessoas, incluindo uma mulher grávida e 13 crianças”.

“Os ocupantes [russos] atacaram os civis, que tentavam escapar do bombardeamento”, denunciou Synegoubov.

A procuradoria-geral fala em sete carros, na caravana atingida pelo ataque russo, onde havia crianças na companhia dos pais.

Na sexta-feira, pelo menos outros 11 corpos de civis, mortos a tiro nos seus carros, tinham sido igualmente encontrados, numa caravana que fugia dos ataques russos, num local onde ocorreram recentemente confrontos entre as forças ucranianas e russas.

Perante a contra-ofensiva ucraniana que se tem desenrolado nos últimos dias, os soldados russos têm recuado para leste, atravessando o rio Oskil, onde estão a ser confrontados pelas forças comandadas por Kiev.

Na quinta-feira, um oficial separatista pró-russo acusou o exército ucraniano de ter disparado contra uma caravana automóvel com civis, na região de Kharkiv, que teria matado 30 pessoas.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

RJP // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS