Pedro Nuno Santos “não é dispensável” no PS, diz secretário-geral adjunto

O número dois do PS, João Torres, defende que o contributo do ex-ministro Pedro Nuno Santos no partido “não é dispensável”, mas adverte que a sucessão de António Costa como secretário-geral socialista “ainda não se coloca”.

Pedro Nuno Santos

Pedro Nuno Santos “não é dispensável” no PS, diz secretário-geral adjunto

O número dois do PS, João Torres, defende que o contributo do ex-ministro Pedro Nuno Santos no partido “não é dispensável”, mas adverte que a sucessão de António Costa como secretário-geral socialista “ainda não se coloca”.

Numa entrevista ao Público e à Rádio Renascença, que será divulgada na íntegra na quinta-feira, o secretário-geral adjunto do PS protagonizou a primeira reação à saída de Pedro Nuno Santos do Secretariado do PS, órgão de direção do partido, deixando a mensagem de que no PS “não há naturalmente pessoas dispensáveis”.

“Continuamos a contar com Pedro Nuno Santos, é um militante importante do PS. O PS sempre foi um espaço de grande liberdade e pluralidade. Isso ao longo da história sempre fortaleceu o PS”, vincou João Torres, que liderou a Juventude Socialista entre 2012 e 2016. Pedro Nuno Santos exerceu a mesma função entre 2004 e 2008.

Depois de agradecer a dedicação de Pedro Nuno Santos no executivo, o número dois dos socialistas rejeitou a ideia de que tenha existido qualquer “rutura com o Governo” na sua demissão do cargo de ministro das Infraestruturas na sequência do caso da indemnização de 500 mil euros recebida pela ex-secretária de Estado Alexandra Reis para sair da TAP.

Segundo João Torres, o ex-ministro “está orgulhoso pelo trabalho que desempenhou enquanto membro de sucessivos governos liderados por António Costa”, nos quais foi “uma peça decisiva no encontro de soluções políticas e de políticas públicas que ajudaram o país a virar a página da austeridade”.

Como secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares e ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos “uma marca muito positiva e reconhecida pelos socialistas e pelos portugueses”, disse, na entrevista ao Público e à Rádio Renascença.

“Não tenho a mais pequena dúvida de que o PS poderá continuar a contar com o empenho, dedicação e a inteligência de Pedro Nuno Santos”, concluiu.

Pedro Nuno Santos pediu para sair do Secretariado Nacional do PS e viu já aprovada a suspensão do seu mandato de deputado por 30 dias.

Estas duas decisões de Pedro Nuno Santos, que hoje é substituído no Governo nas suas pastas ministeriais por João Galamba (Infraestruturas) e Marina Gonçalves (Habitação), foram confirmadas à agência Lusa por fonte partidária.

Cabeça de lista socialista por Aveiro nas últimas eleições legislativas e apontado com um dos potenciais candidatos à sucessão de António Costa na liderança do PS, Pedro Nuno Santos demitiu-se do Governo na passada quarta-feira à noite para “assumir a responsabilidade política” do caso da indemnização de 500 mil euros paga pela TAP à ex-secretária de Estado do Tesouro Alexandra Reis.

JPS // SF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS