PCP alerta que maiora absoluta “não é condição para o Governo chegar ao fim”

O secretário-geral do PCP alertou hoje que a maioria absoluta “não é condição para o Governo chegar ao fim”, defendendo que, mais do que os ministros, “o problema é a política que está a ser seguida”.

PCP alerta que maiora absoluta

PCP alerta que maiora absoluta “não é condição para o Governo chegar ao fim”

O secretário-geral do PCP alertou hoje que a maioria absoluta “não é condição para o Governo chegar ao fim”, defendendo que, mais do que os ministros, “o problema é a política que está a ser seguida”.

“O primeiro-ministro, António Costa, ontem fez uma afirmação com a qual nós concordamos, que é, independentemente dos ministros, o que interessa é a continuidade da política. Só que ela tem tanto de verdadeira como de perigosa, porque o problema aqui não é se é o ministro A, B ou C, o problema é a política que está a ser seguida, e é essa que devia ser alterada”, afirmou Paulo Raimundo.

O líder comunista falava aos jornalistas no final de uma ação de contacto com os trabalhadores de uma empresa em Castanheira do Ribatejo, concelho de Vila Franca de Xira (distrito de Lisboa) quando foi questionado sobre a remodelação do Governo na sequência da demissão do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

“A maioria absoluta do Governo não é condição para o Governo chegar ao fim, o que define o futuro do Governo é a política que exerce, e se continuar neste caminho podemos dizer que não terá um desfecho muito bom”, alertou.

De acordo com Paulo Raimundo, “é preciso é criar uma alternativa”.

Já sobre a separação dos ministérios das Infraestruturas e da Habitação, o secretário-geral comunista defendeu que a questão “não é problema de orgânica, é um problema de opção política”.

“Mais remodelação menos remodelação, não me parece que seja por aí a questão de fundo”, defendeu.

Questionado sobre as críticas de outros partidos dirigidas à atuação do ministro das Finanças, Fernando Medina, e o facto de defenderem a sua saída, o líder comunista considerou que existe “o problema da política em curso e o problema daqueles que querem acelerar a política em curso”, contrapondo que o PCP gosta de “fazer a coisa com mais calma”.

“O problema de Fernando Medina não é Fernando Medina, o problema é a sua política”, insistiu.

Questionado se era tempo para uma remodelação mais profunda no Governo, Paulo Raimundo partiu do exemplo dos trabalhadores com quem contactou e afirmou que os portugueses “vivem bem com a instabilidade governativa, vivem mal é com a instabilidade da vida de todos os dias”.

“A única forma de resolver a crise política no Governo é alterar a política para corresponder às necessidades e anseios de todos nós, esse é que é o caminho, o resto é um bocadinho para nos entretermos. Mudaram-se ministros, seguramente se vão mudar secretários de Estado, política continua a mesma. Qual é a consequência disso na vida das pessoas? Zero”, criticou.

O primeiro-ministro escolheu na segunda-feira os atuais secretários de Estados João Galamba e Marina Gonçalves para as funções de ministro das Infraestruturas e de ministra da Habitação, respetivamente, para substituir Pedro Nuno Santos, que tinha as tutelas até à semana passada.

Pedro Nuno Santos demitiu-se na sequência do caso da indemnização de 500 mil euros da TAP a Alexandra Reis, secretária de Estado do Tesouro, demitida dias antes, para deixar a transportadora aérea.

FM // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS