Partido do poder na Turquia vai contestar resultados das municipais em Istambul

O Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP, islamita) do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje que vai contestar os resultados das eleições municipais em Istambul, que lhe são desfavoráveis.

Partido do poder na Turquia vai contestar resultados das municipais em Istambul

Partido do poder na Turquia vai contestar resultados das municipais em Istambul

O Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP, islamita) do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje que vai contestar os resultados das eleições municipais em Istambul, que lhe são desfavoráveis.

O candidato do AKP, Binali Yildirim, ex-primeiro-ministro e próximo de Erdogan, reconheceu que, como anunciou hoje a Comissão Eleitoral turca, o seu rival Ekrem Imamoglu, do Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata), é o vencedor quando estão contados 99% dos votos.

Mas assinalou que a diferença entre os dois é de cerca de 25.000 votos, enquanto os votos inválidos em Istambul são “mais de 10 vezes superiores” a essa distância.

Yildirim indicou que o seu partido vai contestar o resultado, sugerindo uma recontagem dos votos anulados.

Afirmando ter detetado “irregularidades, o AKP anunciou que vai apresentar recursos para analisar a validade dos boletins considerados inválidos.

Os partidos têm três dias para apresentar objeções e os resultados oficiais são esperados nos próximos dias.

Erdogan terá sofrido um revés sem precedentes em 16 anos de poder.

O chefe de Estado turco reconheceu que o seu partido perdeu a câmara da capital, Ancara, mas garantiu que, mesmo que o seu candidato seja derrotado em Istambul (município a que Erdogan presidiu entre 1994 e 1998), o AKP ganhou em “numerosos distritos.

Face a uma recessão económica e a uma inflação recorde, o presidente investiu na campanha para as municipais, vistas como um indicador da sua popularidade.

Embora a coligação de Erdogan tenha vencido a nível nacional com 51% dos votos, a oposição conquistou Ancara e possivelmente Istambul (centro económico do país), duas cidades que o AKP controlava há 25 anos.

A oposição secular também registou ganhos em províncias junto ao Mediterrâneo, tirando a cidade de Adana aos nacionalistas e a turística Antalya ao partido no poder. Também manteve o controlo sobre Izmir, a terceira maior cidade da Turquia.

Segundo a agência France Presse, os resultados obtidos pela oposição são ainda mais notáveis tendo em conta que o AKP beneficiou de uma visibilidade esmagadora nos media, muitos dos quais são controlados pelo poder.

Andrew Dawson, que liderou a missão de observação do Conselho da Europa às eleições, disse hoje que os seus observadores “não ficaram totalmente convencidos de que a Turquia tem o livre e justo ambiente eleitoral, que é necessário para eleições genuinamente democráticas, alinhadas com os valores e princípios europeus”.

Elogiou a alta participação dos eleitores (84%), que considerou um “sinal de saudável interesse democrático” e exortou o governo turco a aceitar os resultados do escrutínio.

PAL // ANP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS