Países da UE e mais 15 do Mediterrâneo reunidos em Barcelona para melhorar cooperação

A União Europeia (UE), os seus 27 Estados-membros e mais 15 países do Mediterrâneo reúnem-se hoje em Barcelona com o objetivo de melhorar “a cooperação, o desenvolvimento e a integração” na região euro-mediterrânica.

Países da UE e mais 15 do Mediterrâneo reunidos em Barcelona para melhorar cooperação

Países da UE e mais 15 do Mediterrâneo reunidos em Barcelona para melhorar cooperação

A União Europeia (UE), os seus 27 Estados-membros e mais 15 países do Mediterrâneo reúnem-se hoje em Barcelona com o objetivo de melhorar “a cooperação, o desenvolvimento e a integração” na região euro-mediterrânica.

Será o 7.º Fórum Regional da União para o Mediterrâneo, uma organização intergovernamental de que fazem parte 42 países – os 27 da UE e mais 15 do norte de África, Médio Oriente e sudeste da Europa -, unidos por laços mediterrânicos.

“O Fórum é uma oportunidade para refletir sobre como promover uma melhor cooperação, desenvolvimento e integração na região mediterrânica. Na mesma linha, terá lugar no mesmo dia em Barcelona uma reunião ministerial da UE e dos seus vizinhos do sul”, diz a União para o Mediterrâneo (UpM), numa nota de imprensa sobre os encontros de hoje.

O Fórum Regional da UpM, um encontro de ministros dos Negócios Estrangeiros (MNE), realiza-se durante a manhã, é presidido pelo chefe da diplomacia da UE, o espanhol Josep Borrell, e pelo ministro da Jordânia Ayman Safadi. Portugal está representado pelo ministro João Gomes Cravinho.

Na abertura, será ratificada a adesão da Macedónia do Norte à UfM e a este grupo e deverão ser abordados temas como a segurança alimentar e energética, agravadas pela guerra na Ucrânia, ou as políticas de emprego e dirigidas à juventude numa região marcada por grandes fluxos de migrantes que tentam cruzar o mar Mediterrâneo rumo à Europa, segundo fontes da organização.

A seguir ao fórum, terá lugar o encontro UE – Vizinhança Sul, mais restrito, que junta os países do bloco comunitário e outros oito do Mediterrâneo com quem tem acordos de associação (Argélia, Egito, Israel, Jordânia, Líbano, Marrocos, Tunísia e Autoridade Palestiniana).

Estes acordos enquadram-se no âmbito da Política Europeia de Vizinhança (PEV), ao abrigo da qual a UE e os seus parceiros meridionais “adotaram planos de ação bilaterais, prioridades de parceria ou agendas de associação”, segundo informação oficial disponível nos ‘sites’ das instituições europeias.

“Estes planos de ação estabelecem programas de reforma política e económica com prioridades a curto e médio prazo (três a cinco anos)” e “procuram, em particular, desenvolver sociedades democráticas, socialmente equitativas e inclusivas, fomentando a integração económica e a educação, desenvolvendo pequenas e médias empresas e a agricultura e facilitando a circulação de pessoas nas fronteiras”, dizem as mesmas informações.

Os encontros de Barcelona ocorrem na véspera da celebração, pelo segundo ano, do Dia do Mediterrâneo, na sexta-feira, instituído pela UfM em 2020, com apoio unânime dos seus 42 membros, e tem como objetivo “celebrar as conquistas, reconhecer a diversidade, aprofundar a compreensão mútua e reforçar a cooperação e os laços entre as duas margens” mediterrânicas.

A UpM foi criada em 2008 por iniciativa francesa e egípcia e é herdeira da Conferência Euro-mediterrânica, constituída em 1995 em Barcelona.

O Fórum Regional da UpM foi criado em 2015, para abordar temas de interesse comum aos 42 países da União para o Mediterrâneo.

MP // SCA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS