ONU e União Africana pedem libertação imediata de detidos após protestos no Chade

A ONU e a União Africana exigiram hoje a libertação “o mais rapidamente possível” das centenas de detidos nos recentes protestos no Chade, nos quais se registaram cerca de 80 mortos devido à violenta repressão policial.

ONU e União Africana pedem libertação imediata de detidos após protestos no Chade

ONU e União Africana pedem libertação imediata de detidos após protestos no Chade

A ONU e a União Africana exigiram hoje a libertação “o mais rapidamente possível” das centenas de detidos nos recentes protestos no Chade, nos quais se registaram cerca de 80 mortos devido à violenta repressão policial.

“Pedimos a libertação dessas pessoas, cujo único crime foi exercer o direito de reunião pacífica, e pedimos a todas as partes que ajam com moderação”, lê-se num comunicado conjunto assinado pelos porta-vozes das duas organizações, Clément Nyaletossi, da ONU, e Remi Ngoy, da União Africana (UA).

Os dois também condenaram o uso da força letal pelas forças de segurança, embora tenham igualmente denunciado alguns atos de violência por parte dos manifestantes após a intervenção policial.

“As autoridades chadianas têm a obrigação de efetuar investigações imparciais, rápidas e efetivas sobre as violações de direitos humanos que possam ter ocorrido durante a resposta aos protestos”, enfatizaram.

Pelo menos 76 pessoas morreram nos protestos contra o governo de transição reprimidos pela polícia em diferentes cidades do país na passada quinta-feira, 20 de outubro.

Os protestos foram convocados para expressar pacificamente o desacordo com a extensão do período de transição no Chade e para exigir que o Presidente de transição, Mahamat Idriss Déby Itno, entregue o poder a um líder civil.

O Presidente da República Democrática do Congo (RDCongo), Felix Tshisekedi, foi nomeado “mediador” na crise política no Chade pela Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), segundo o comunicado final da cimeira extraordinária realizada terça-feira em Kinshasa.

Representantes dos 11 países da CEEAC reuniram-se, a convite de Tshisekedi, para discutir e nomear um mediador no “processo de transição política no Chade”.

Após a sua designação, Tshisekedi comprometeu-se a “não poupar esforços para cumprir” a sua missão e trabalhar “pela paz” na região.

Na sua declaração final, a cimeira também “apelou ao Governo e ao povo do Chade pela paz” e “condenou veementemente o uso da violência para fins políticos”.

O atual chefe de Estado prometeu um referendo constitucional e eleições que, após o fim da transição, seriam organizadas “de forma transparente e calma” para “assegurar o regresso à ordem constitucional”.

O Chade tem estado sob a liderança do Conselho Militar de Transição (CMT, junta militar) desde a morte do ex-presidente Idriss Déby — pai do Presidente de transição -, nos combates entre grupos rebeldes e o exército, em abril de 2021.

Após a tomada de posse, o CMT, liderado por Déby Itno, 38 anos, anulou a Constituição e dissolveu o Governo e o parlamento.

Durante o diálogo nacional foi acordado dissolver o CMT e prolongar a transição por mais dois anos, embora fosse suposto durar 18 meses e terminar em 20 de outubro.

O diálogo foi amplamente criticado e boicotado pelos partidos da oposição e movimentos rebeldes, por não o considerarem inclusivo.

Desde o início, Déby Itno tem tido o apoio da comunidade internacional, liderada pela França, a UE e a União Africana, uma vez que o exército chadiano é um dos pilares da guerra contra os grupos terroristas na região do Sahel, juntamente com as tropas francesas da missão Barkhane.

Os lusófonos Angola e São Tomé e Príncipe integram a CEEAC.

 

EL (CAZM/JH) // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS