OE/Crise: Chega considera que 30 de janeiro é uma “data aceitável” para eleições

O líder do Chega considerou hoje que 30 de janeiro é uma “data aceitável” para as eleições legislativas por permitir que os debates televisivos não coincidam com a época festiva.

OE/Crise: Chega considera que 30 de janeiro é uma

OE/Crise: Chega considera que 30 de janeiro é uma “data aceitável” para eleições

O líder do Chega considerou hoje que 30 de janeiro é uma “data aceitável” para as eleições legislativas por permitir que os debates televisivos não coincidam com a época festiva.

Reagindo ao anúncio do Presidente da República — que anunciou hoje a dissolução da Assembleia da República e a marcação de eleições para 30 de janeiro — André Ventura afirmou que a data não corresponde à que o partido “preferia” e “tinha indicado”, mas compreende os argumentos apresentados por Marcelo Rebelo de Sousa quanto à necessidade de “haver algum espaço para debates, nomeadamente debates televisivos” e evitar que “isso cruzasse com o período do Natal e do Ano Novo”.

“Por isso, parece-nos que a data de 30 de janeiro, não sendo a data que estava consensualizada pelos partidos representados aqui no parlamento, possa ser uma data aceitável”, frisou.

O líder do Chega disse ainda que “regista e concorda” com a dissolução da Assembleia da República e convocação de eleições, por considerar que, “com o nível de divergência que foi assumido no debate para o Orçamento, e com a falta de consenso em áreas tão fundamentais, desde a legislação laboral até matéria orçamental e o fator de sustentabilidade nas pensões, tornava-se impossível manter esta maioria”.

“E só não via isso quem queria manter artificialmente o parlamento a funcionar, quando já sabíamos todos que, se não fosse agora, seria daqui a três meses, ou quatro ou cinco, que o faríamos. Esteve bem, na nossa perspetiva, o Presidente da República em chamar os portugueses novamente a votos, a devolver a palavra ao povo”, referiu.

André Ventura considerou ainda que, na mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa, o chefe de Estado “deixou claro, pela forma, pelo conteúdo e pelo estilo” a “quem aponta o dedo por esta crise política”.

“Ao falar de divergência menores que se tornaram divergências maiores, (…)o Presidente da República deixa claro quem são os responsáveis pela crise política que estamos a viver, e esses responsáveis são o Governo do PS e os seus parceiros que, durante anos, viabilizaram o Orçamento: o PCP e o BE”, defendeu.

No que se refere à campanha para as eleições legislativas, André Ventura afirmou que o Chega está “mais do que preparado para estas eleições” e para “voltar a ouvir os portugueses”.

“É com grande energia e entusiasmo que vamos voltar para a rua, a ouvir os portugueses, e voltar a apresentar o nosso projeto e programa para evitar que a ‘geringonça’ volte a ter uma maioria nesta câmara parlamentar”, sublinhou.

O Presidente da República anunciou hoje ao país que vai dissolver o parlamento, decisão que propôs na quarta-feira ao Conselho de Estado e que obteve parecer favorável.

“Uma semana e um dia depois da rejeição do Orçamento para 2022 encontro-me em condições de vos comunicar que decidi dissolver a Assembleia da República”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, numa comunicação a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, acrescentando que marcou as eleições legislativas antecipadas para 30 de janeiro.

TA (IEL) // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS