OE2022: PCP diz que prometido diálogo da maioria com partidos foi uma farsa

A líder parlamentar do PCP defendeu hoje que a discussão do Orçamento do Estado provou que “apregoado diálogo da maioria absoluta é uma farsa” e responsabilizou o PS pelo “corte de facto nos salários e pensões”.

OE2022: PCP diz que prometido diálogo da maioria com partidos foi uma farsa

OE2022: PCP diz que prometido diálogo da maioria com partidos foi uma farsa

A líder parlamentar do PCP defendeu hoje que a discussão do Orçamento do Estado provou que “apregoado diálogo da maioria absoluta é uma farsa” e responsabilizou o PS pelo “corte de facto nos salários e pensões”.

No encerramento do debate do Orçamento do Estado para 2022, Paula Santos considerou que a discussão da proposta apresentada pelo Governo “deixa evidente que o apregoado diálogo da maioria absoluta é uma farsa”.

O PS “é responsável por um corte de facto nos salários e nas pensões, pela especulação e empobrecimento que se abate” sobre a população, ao recusar, exemplificou, um “aumento extraordinário de todas as pensões em 5,3% e no mínimo de 20 euros, a criação de uma rede pública de creches e o alargamento da gratuidade, ou a fixação de preços na alimentação, combustíveis, eletricidade e gás”.

“A retórica do Orçamento mais à esquerda de sempre, mais não é do que uma piada”, argumentou a líder parlamentar do PCP.

Paula Santos acrescentou que numa altura em que o país “precisa de uma intervenção firme”, o PS “acerta-se com o PAN e o Livre, para desviar atenções do essencial para o acessório, aprovando propostas proclamatórias”.

Referindo-se às propostas de outros partidos, nomeadamente as dos dois deputados únicos, aprovadas pela bancada socialista, a dirigente comunista considerou que “a esmagadora maioria não tem qualquer impacto orçamental e dificilmente terá alguma tradução” na vida dos portugueses.

“Há uma enorme distância entre o Orçamento e os orçamentos anteriores, que confirma que os avanços alcançados nos últimos anos só foram possíveis pela nossa persistência e tantas vezes contra a vontade do PS”, sustentou a líder parlamentar.

O OE2022 “passa ao lado dos problemas estruturais” do país e a sua discussão em maio “permitia adequá-lo à realidade destes últimos meses”, advogou a deputada.

“Mas o PS desperdiçou essa oportunidade”, completou Paula Santos.

O grupo parlamentar do PCP votou contra a proposta de Orçamento do Estado para 2022 na generalidade. O partido ainda não anunciou o sentido de voto para a votação final global.

AFE // SF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS