Óbito/Marcelino da Mata: PR evoca ” militar mais condecorado” do Exército

O Presidente da República evocou na quinta-feira o tenente-coronel Marcelino da Mata, que morreu aos 80 anos, “o militar mais condecorado” do Exército, e apresentou a condolências à família.

Óbito/Marcelino da Mata: PR evoca

Óbito/Marcelino da Mata: PR evoca ” militar mais condecorado” do Exército

O Presidente da República evocou na quinta-feira o tenente-coronel Marcelino da Mata, que morreu aos 80 anos, “o militar mais condecorado” do Exército, e apresentou a condolências à família.

“O Presidente da República apresenta sinceras condolências à Família do Tenente-Coronel Marcelino da Mata, o militar mais condecorado do Exército Português, que hoje [quinta-feira] nos deixou”, dá conta uma nota publicada na página na internet da Presidência da República.

O chefe de Estado recordou que, “entre as numerosas distinções que recebeu conta-se a Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, a mais alta distinção concedida por Portugal”.

O tenente-coronel morreu hoje, aos 80 anos, vítima de covid-19, no Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), disse à Lusa fonte oficial do Exército.

Marcelino da Mata, natural da Guiné-Bissau, tinha 80 anos e foi um dos fundadores da tropa de elite “Comandos”, sendo conhecido nos meios militares como um dos mais “bravos e heróicos” combatentes lusos.

Após a Revolução do 25 de Abril e do fim da Guerra Colonial foi proibido de voltar à sua terra natal, país que entretanto se tinha tornado independente, e viu-se obrigado ao exílio, em Espanha, até ao contragolpe do 25 de Novembro (que terminou com o Processo Revolucionário Em Curso).

Foi o militar mais condecorado de sempre do Exército, segundo o ramo. Em 1969, foi armado cavaleiro da “Antiga e Muito Nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito”, após ter subido sucessivamente de patente, desde soldado a major.

Entre as mais de 2.000 missões de combate em que participou, naquele que é considerado dos teatros de operações mais difíceis da Guerra Colonial, contam-se as emblemáticas: Operação Tridente, o resgate de mais de uma centena de militares lusos no Senegal e a Operação Mar Verde.

Marcelino Mata reformou-se em 1980 e foi ainda promovido a tenente-coronel em 1994. Foi ainda responsável pela segurança da Universidade Moderna, encerrada compulsivamente pelo Governo do socialista José Sócrates, assim como a cooperativa Dinensino, por falta de viabilidade económico-financeira, após vários escândalos e processos judiciais.

AFE (HPG) //RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS