Número de empresas com despedimentos coletivos cai para 28 em julho

O número de empresas que iniciaram processos de despedimento coletivo em julho totalizou 28, uma redução de 25 face ao mesmo mês de 2020 e um aumento de quatro face a junho – dados oficiais.

Número de empresas com despedimentos coletivos cai para 28 em julho

Número de empresas com despedimentos coletivos cai para 28 em julho

O número de empresas que iniciaram processos de despedimento coletivo em julho totalizou 28, uma redução de 25 face ao mesmo mês de 2020 e um aumento de quatro face a junho – dados oficiais.

De acordo com a Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), o número de processos em julho foi ainda menor do que o registado no mesmo mês de 2019, antes da pandemia de covid-19, quando se registaram 38 empresas com processos de despedimento coletivo.

Por outro lado, tendo em conta a evolução mensal, julho foi o primeiro mês do ano que registou um aumento, após cinco meses consecutivos de queda.

Dos 28 despedimentos coletivos em julho, 39% ocorreram em microempresas, 22% em médias empresas, 21% em grandes empresas e 18% em pequenas empresas.

A grande maioria (61%) verificou-se na região de Lisboa e Vale do Tejo, seguida pelo Norte (25%), Centro (11%) e Algarve (3%).

Por setor de atividade, os dados indicam que 25% dos despedimentos coletivos comunicados ocorreram nas indústrias transformadoras, 11% nas atividades administrativas e dos serviços de apoio, 7% nas atividades de informação e de comunicação, 7% nas atividades de saúde humana e apoio social, 7% no alojamento, restauração e similares, 4% nos transportes e armazenagem e também na educação e 3% nas atividades financeiras e de seguros.

As 20 empresas que concluíram os processos de despedimento coletivo em julho pretendiam despedir 153 trabalhadores, mas foram efetivamente despedidos 140 (dos quais 55% mulheres) e 13 foram afetados por outras medidas não especificadas.

O principal fundamento para o despedimento foi a redução de pessoal, que afetou 56% dos trabalhadores, seguindo-se o encerramento definitivo da atividade (26%) e o fecho de uma ou de várias secções (18%).

Já tendo em conta o acumulado, os dados da DGERT mostram que entre janeiro e julho foram comunicados 230 processos de despedimentos coletivos, enquanto no mesmo período do ano anterior o número atingiu os 420.

Por sua vez, antes da pandemia, entre janeiro e julho de 2019, o número de processos de despedimentos coletivos foi de 185.

Ainda segundo os dados, de janeiro a julho as empresas pretendiam despedir 2.525 trabalhadores e foram efetivamente despedidos 2.278, tendo 208 sido afetados por outras medidas e 39 processos revogados.

Os números são inferiores aos 4.339 trabalhadores despedidos entre janeiro e julho de 2020, mas estes dados incluem trabalhadores despedidos no âmbito de procedimentos iniciados em 2019 que só foram objeto de decisão em 2020, explica a DGERT.

Antes da pandemia, de janeiro a julho de 2019, o número de despedidos foi inferior, tendo sido atingidos 2.163 trabalhadores.

DF // CSJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS