Número de deslocados internos na Ucrânia ultrapassa os 8 milhões de pessoas

O número de pessoas deslocadas internamente na Ucrânia devido à guerra iniciada pela Rússia ultrapassou a marca de 8 milhões, mais 24% do que os valores publicados anteriormente, anunciou hoje a Organização Internacional para as Migrações.

Número de deslocados internos na Ucrânia ultrapassa os 8 milhões de pessoas

Número de deslocados internos na Ucrânia ultrapassa os 8 milhões de pessoas

O número de pessoas deslocadas internamente na Ucrânia devido à guerra iniciada pela Rússia ultrapassou a marca de 8 milhões, mais 24% do que os valores publicados anteriormente, anunciou hoje a Organização Internacional para as Migrações.

A estimativa da organização, feita com base numa pesquisa realizada entre 17 de abril e 03 de maio, adianta que a maior necessidade referida pelos deslocados é apoio financeiro.

Segundo o relatório da OIM, dois terços dos entrevistados identificaram o apoio em dinheiro como a sua principal necessidade, um número muito superior aos 49% que pediam sobretudo ajuda financeira no início da guerra.

Mais de 70% dos entrevistados disseram precisar de dinheiro para cobrir despesas de alimentação e/ou médicas.

Outras das principais necessidades apontadas pelos deslocados internos foi abrigo, tendo 9% de todas as pessoas entrevistadas para o relatório – incluindo muitas que não são deslocadas — indicado que as suas casas foram danificadas ou destruídas.

Contabilizando apenas as que se encontram na lista de deslocados internos, o número sobe para 27%.

“As necessidades dos deslocados internos e de todos os afetados pela guerra na Ucrânia estão a aumentar a cada hora que passa”, afirmou o diretor-geral da OIM, António Vitorino, no relatório hoje divulgado.

“O acesso às populações com necessidades urgentes de ajuda continua a ser um desafio quando as hostilidades ainda estão em curso”, adiantou, acrescentando que as equipas da OIM querem continuar a dar apoio tanto aos deslocados internos na Ucrânia como as refugiados nos países vizinhos.

À medida que a crise humanitária continua a piorar, mais ucranianos deslocados internamente (44%) estão a considerar novas realocações — mais do dobro do número avançado no relatório anterior, em 16 de março (18%).

Sublinhando que a mobilidade na Ucrânia é, atualmente, “muito completa, o relatório da OIM adianta que mais de 2,7 milhões de pessoas voltaram para casa, 93% das quais regressaram para outra área da sua região ou outra região do país”.

A OIM refere ainda que, desde o início da guerra, pelo menos 320.000 pessoas receberam assistência direta da organização na Ucrânia, incluindo alimentos, itens não alimentares e de higiene, dinheiro, apoio a problemas de saúde mental e psicossocial, tendo também beneficiado das campanhas de informação para ajudar a prevenir o tráfico e abuso de pessoas.

A organização liderada por António Vitorino apela à manutenção do apoio dos Estados e parceiros da agência da ONU para atender às necessidades mais prementes dos deslocados internos, nomeadamente através de dinheiro e programas de reabilitação de abrigos.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais 5,5 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

PMC // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS