Navalny: Chefe da NATO condena “violenta opressão” de manifestantes na Rússia

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, condenou hoje “fortemente” a “violência opressão e as detenções arbitrárias” de manifestantes que nas últimas semanas protestaram na Rússia contra a detenção do líder da oposição Alexei Navalny.

Navalny: Chefe da NATO condena

Navalny: Chefe da NATO condena “violenta opressão” de manifestantes na Rússia

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, condenou hoje “fortemente” a “violência opressão e as detenções arbitrárias” de manifestantes que nas últimas semanas protestaram na Rússia contra a detenção do líder da oposição Alexei Navalny.

“Condeno fortemente a violenta opressão e as detenções arbitrárias de milhares de manifestantes pacíficos e de jornalistas na Rússia. A liberdade de expressão e a liberdade de manifestação pacífica devem ser respeitadas”, declarou o político nórdico em conferência de imprensa.

À semelhança das suas declarações em janeiro, Stoltenberg também sublinhou a sua condenação pela detenção “politicamente motivada” de Navalny e exigiu a sua libertação “imediata e sem condições”.

“A detenção de Navalny é uma perversão da justiça, apontando como objetivo a vítima de uma tentativa de assassínio através de um agente químico proibido para tentar tirar-lhe a sua vida enquanto o atacante permanece em liberdade”, afirmou.

Assim, ao considerar que se deve continuar a exigir a Moscovo “o respeito pelas suas obrigações internacionais que comprometam a Rússia no respeito pelos direitos humanos e, por exemplo, a liberdade de expressão e de protesto pacífico”.

Recordou ainda que a Aliança Atlântica condenou “com clareza” a alegada tentativa de assassínio de Navalny com o agente neurotóxico Novichok, que considerou tratar-se “também uma clara violação da proibição de todas as armas químicas”.

“Continuamos a pedir à Rússia que envie os responsáveis perante a justiça e coopere plenamente com a Organização para a Proibição das Armas Químicas numa investigação imparcial”, referiu.

Numa referência à eventualidade de novas intervenções militares da Rússia fora do seu território para distrair a opinião pública face aos recentes protestos, o ex-primeiro-ministro social-democrata norueguês optou por não especular.

No entanto, admitiu Stoltenberg, “nos últimos anos” a NATO assistiu a um “aumento significativo” da atividade militar russa.

“Vimos ações militares agressivas por parte da Rússia contra a Geórgia, contra a Ucrânia, anexando a Crimeia de forma ilegal, vimos um aumento da atividade militar desde o mar de Barents, o mar Báltico, o mar Negro, até ao Mediterrâneo, e isso indica um aumento que acompanhamos e seguimos de muito perto na NATO”, assegurou.

Stoltenberg exprimiu-se numa conferência de imprensa conjunta após reunir-se com o primeiro-ministro da Ucrânia, Denys Shmyhal, ao qual reiterou a condenação aliada da anexação russa da Crimeia e as “suas ações agressivas” no leste da antiga república soviética.

Desta forma, pediu ao Kremlin para terminar com o apoio às forças separatistas do leste ucraniano e retirar as suas forças do país.

Sublinhou ainda que a NATO reforçou a sua presença na região do mar Negro porque reconhece “a grande importância estratégica” da área, e acrescentou que a Aliança Atlântica procura “garantir que não existam dúvidas” de que esse espaço “não é dominado por um país, pela Rússia”.

Sobre a adesão da Ucrânia à NATO, reconheceu que quanto mais Kiev se comprometer na concretização de reformas “mais perto estará de cumprir os padrões da NATO e mais perto estará de ser membro da NATO”.

PCR // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS