Não há neste momento negociações com potenciais compradores da TAP

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou hoje que não há negociações com potenciais compradores da TAP e que não está ainda definido quando se iniciará o processo de privatização da companhia aérea.

Não há neste momento negociações com potenciais compradores da TAP

Não há neste momento negociações com potenciais compradores da TAP

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou hoje que não há negociações com potenciais compradores da TAP e que não está ainda definido quando se iniciará o processo de privatização da companhia aérea.

“Não, não está”, afirmou Pedro Nuno Santos em resposta ao deputado da Iniciativa Liberal (IL) Carlos Guimarães Pinto que, após o ministro ter afirmado que o processo de privatização não está ainda definido, insistiu que “então neste momento não há qualquer tipo de negociação com nenhum potencial comprador?”.

O deputado da IL insistiu ainda em saber se Pedro Nuno Santos podia confirmar que a privatização da TAP ocorrerá ainda em 2023, se será sobre mais de 50% do capital e se, após a privatização o Estado planeia ficar com algum tipo de obrigação ou se dará algum tipo de garantia sobre a dívida da TAP, mas a resposta de Pedro Nuno Santos não se afastou do registo inicial.

“Enunciámos um objetivo que foi a abertura da capital da TAP, porque nunca foi objetivo manter com 100% da TAP. (…) Esse processo não foi iniciado e não podemos dar resposta sobre um processo que não foi iniciado”, disse o ministro que está hoje a ser ouvido na Comissão do Orçamento de Finanças no âmbito da proposta do Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).

O deputado da IL quis também saber se injeção de dinheiro na TAP não salvaguardou os 5% de capital que os trabalhadores tinham na empresa, tendo o ministro referido que das negociações realizadas com Bruxelas sobre o plano de reestruturação da TAP resultou a exigência de as injeções de dinheiro na empresa serem transformadas em capital pelo que, neste quadro, “todas as participações se diluem”.

Antes, André Ventura, do Chega, tinha também já trazido a TAP para a audição, questionado o ministro sobre o número de cancelamentos de voos. Na resposta, o ministro acusou o deputado de “misturar tudo” ao defender a intervenção na TAP, mas criticar o dinheiro [injetado], a não querer privatizar a TAP, mas a querer saber quanto é que o Estado vai perder.

LT/AAT // CSJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS