Mundial2022: PAN quer que Santos Silva e Governo não se desloquem ao Qatar

O PAN propôs hoje que o presidente da Assembleia da República e o Governo não se façam representar no Campeonato do Mundo de Futebol no Qatar e condenem “as violações dos direitos humanos” cometidas para a concretização do torneio.

Mundial2022: PAN quer que Santos Silva e Governo não se desloquem ao Qatar

Mundial2022: PAN quer que Santos Silva e Governo não se desloquem ao Qatar

O PAN propôs hoje que o presidente da Assembleia da República e o Governo não se façam representar no Campeonato do Mundo de Futebol no Qatar e condenem “as violações dos direitos humanos” cometidas para a concretização do torneio.

O desafio consta de um projeto de resolução entregue hoje no parlamento, no qual a deputada única do PAN, Inês Sousa Real, propõe que Augusto Santos Silva e o executivo de António Costa não se façam representar no Mundial de 2022 do Qatar.

Em simultâneo, a porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza pede ao Governo e ao presidente do parlamento português que condenem “as violações de direitos humanos no Qatar, nomeadamente a exploração laboral, os direitos das mulheres e da comunidade LGBTI+”.

O PAN também quer que se condenem os “crimes contra o ambiente” e a FIFA pelo processo de atribuição do campeonato.

O Mundial de 2022 no Qatar está envolto em polémica desde que várias reportagens revelaram que milhares de trabalhadores migrantes estavam a viver em condições desumanas e em regimes de quase escravidão para construir os estádios que vão acolher o torneio.

“O Qatar é um país onde a homossexualidade é punida com pena de prisão entre um e três anos, o sexo fora do casamento também é punido com flagelação, ou pena de morte e mulheres que denunciem que foram violadas podem ser acusadas por sexo consensual”, sustenta o PAN no projeto de resolução. 

No que diz respeito às mulheres, “impera a ‘tutela masculina’, atribuída geralmente ao marido, pai, irmão, avô ou tio, precisando de autorização do tutor para tomar decisões relativamente à gestão da sua vida. As mulheres divorciadas estão impedidas de ficar com a guarda dos filhos”.

Ainda assim, completa Inês Sousa Real, “e apesar de todas as violações de direitos humanos, o Presidente da República, o residente da Assembleia da República e o primeiro-ministro pretendem deslocar-se ao Qatar para assistir ao jogo da seleção portuguesa no mundial no dia 24 de novembro”, algo que o PAN diz ser “incompreensível”.

 

AFE // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS