Motoristas: Sindicato e patrões reúnem-se na 2.ª feira para definir serviços mínimos

Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas e a Antram vai decorrer na segunda-feira, pelas 15:00, na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho.

Motoristas: Sindicato e patrões reúnem-se na 2.ª feira para definir serviços mínimos

Motoristas: Sindicato e patrões reúnem-se na 2.ª feira para definir serviços mínimos

Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas e a Antram vai decorrer na segunda-feira, pelas 15:00, na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho.

Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas  (SNMMP) e os patrões reúnem-se na segunda-feira para discutir os serviços mínimos na greve ao trabalho extraordinário anunciado entre os dias 7 e 22 de setembro, confirmou à Lusa fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. A reunião entre o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) vai decorrer pelas 15:00 na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT).

LEIA DEPOIS
PSP alerta condutores de Lisboa para burlas com falsos acidentes

«As greves têm sempre impacto», Vieira da Silva

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, disse que os serviços do ministério iriam avaliar o novo pré-aviso de greve dos motoristas e verificar a necessidade de serem tomadas medidas, mas sublinhou que o cenário é agora distinto da paralisação anterior. “As greves têm sempre impacto”, mas “agora estamos a falar de um pedido de natureza diferente”, referiu o ministro do Trabalho, precisando que o pré-aviso seria avaliado com os parceiros (sindicato e entidade empregadora) e seriam tomadas “as decisões que forem necessárias de serem tomadas”.

O que exigem os motoristas

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias desvinculou-se da greve ao quarto dia, na quinta-feira à noite, e vai regressar às negociações com o patronato em 12 de setembro. Entre os considerandos para a convocação da greve “cirúrgica” agora decidida pelo SNMMP está a exigência do pagamento “das horas extraordinárias acima das nove horas e meia de trabalho diário” e que as mesmas “sejam pagas de acordo com o que se encontra tipificado na lei”. Os motoristas de matérias perigosas exigem ainda “um aumento do subsídio não inferior a 50 euros”, para pôr fim à greve ao trabalho suplementar.

 

LEIA MAIS

12 dicas para poupar combustível

Previsão do tempo para sexta-feira, 23 de agosto

Impala Instagram


RELACIONADOS