Motoristas: Rede de emergência responderá às funções prioritárias do Estado

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, garantiu, no âmbito da greve, que a rede de emergência, com 52 postos de abastecimento exclusivos e 320 não exclusivos, “permitirá responder às funções prioritárias do Estado”. António Costa desloca-se hoje à Entidade Nacional para o Setor Energético e reúne-se com o Gabinete Coordenador de Segurança.

Motoristas: Rede de emergência responderá às funções prioritárias do Estado

Motoristas: Rede de emergência responderá às funções prioritárias do Estado

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, garantiu, no âmbito da greve, que a rede de emergência, com 52 postos de abastecimento exclusivos e 320 não exclusivos, “permitirá responder às funções prioritárias do Estado”. António Costa desloca-se hoje à Entidade Nacional para o Setor Energético e reúne-se com o Gabinete Coordenador de Segurança.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, garantiu, no âmbito da greve, que a rede de emergência, com 52 postos de abastecimento exclusivos e 320 não exclusivos, “permitirá responder às funções prioritárias do Estado”. António Costa desloca-se hoje à Entidade Nacional para o Setor Energético e reúne-se com o Gabinete Coordenador de Segurança.

LEIA DEPOIS
Quase metade dos portugueses gasta o subsídio nas férias de verão

Motoristas não desistem da greve

As palavras de Eduardo Cabrita surgem após a reunião de ontem com o presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), representantes dos ministérios e das forças de segurança “para acertar pormenores” operacionais durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, que começa na segunda-feira e foi hoje confirmada em plenário de sindicatos.

“Esta reunião decorreu da declaração de sexta-feira pelo Conselho de Ministros de uma situação de crise energética, a partir de hoje, com caráter preventivo e da determinação por despacho MAI e do Ministério do Ambiente da entrada em funcionamento a partir das 00:00 de domingo da rede de emergência de postos de abastecimento, formada por 52 postos de abastecimento exclusivo e por 320 não exclusivos, e pela colocação de todas as estruturas de Proteção Civil numa situação de alerta”, disse.

António Costa faz hoje nova avaliação

O governante afirmou que foi feita “uma análise da estreita parceria entre a ANEPC e a ENSE, autoridade que regula as reservas energéticas do Estado, dos mecanismos que garantirão que a rede de emergência permitirá responder àquilo que são as necessidades de funcionamento prioritárias do Estado. “Determinamos mecanismos que envolvem todas as áreas de governação, que permitirão avaliar a partir de segunda-feira, iniciando-se a greve, verificar diariamente qual a necessidade de resposta, contemplando o acesso a esse rede de portos de prioritários e de um conjunto de outras instituições, públicas e privadas, em função da urgência de que se revista o abastecimento público”, acrescentou.

Entretanto, António Costa desloca-se este domingo, por volta das 11h00, à Entidade Nacional para o Setor Energético e reúne-se com o Gabinete Coordenador de Segurança, visando avaliar os preparativos de resposta à greve dos motoristas, disse à Lusa fonte do seu gabinete.

LEIA MAIS
Previsão do tempo para domingo, 11 de agosto
Homem caiu ao mar no norte da ilha da Madeira

 

Impala Instagram


RELACIONADOS