Moçambique/Ataques: MNE moçambicana reforça pedido de apoio para assistência humanitária

A ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, Verónica Macamo, voltou hoje a pedir aos países da Europa e América apoio humanitário para os deslocados devido à violência armada em Cabo Delgado.

Moçambique/Ataques: MNE moçambicana reforça pedido de apoio para assistência humanitária

Moçambique/Ataques: MNE moçambicana reforça pedido de apoio para assistência humanitária

A ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, Verónica Macamo, voltou hoje a pedir aos países da Europa e América apoio humanitário para os deslocados devido à violência armada em Cabo Delgado.

“Lamentavelmente, o número de moçambicanos deslocados continua a subir dias após dias, havendo necessidade de ajuda urgente”, declarou Verónica Macamo.

A chefe da diplomacia moçambicana falava durante um encontro com o corpo diplomático da Europa e América em Maputo.

Segundo a governante, o executivo moçambicano tem apostado na definição de estratégias para evitar que a juventude local se junte aos grupos armados, bem como em “medidas holísticas e multissetoriais, focalizadas na restauração da estabilidade, segurança e ordem públicas nas comunidades dos distritos afetados”.

“Constatando-se que estamos perante um fenómeno que, embora localizado no nosso país, tem origens e inspiração externa, a sua eliminação requer esforços coletivos. Neste contexto, esperamos contar com o vosso apoio”, declarou.

A província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, é palco há três anos de ataques armados desencadeados por forças classificadas como terroristas.

Há diferentes estimativas para o número de mortos, que vão de 1.000 a 2.000 vítimas.

Segundo dados oficiais, há, pelo menos, 435 mil deslocados internos devido a violência protagonizada por grupos classificados como terroristas em distritos mais a norte da província.

A capital de Cabo Delgado está desde meados de outubro a receber uma vaga de deslocados, que viajam em barcos precários para Pemba, devido a novos ataques.

No total, segundo dados oficiais, chegaram a Pemba cerca de 11.200 deslocados desde 16 de outubro e as autoridades municipais alertam para a falta de espaço para receber novas pessoas.

EYAC // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS