Moçambique/Ataques: Intervenção militar está a registar “progressos” – PM

O primeiro-ministro moçambicano disse hoje no parlamento que a resposta militar que tem sido dada, desde julho, à insurgência armada em Cabo Delgado, norte do país, está a registar “progressos”.

Moçambique/Ataques: Intervenção militar está a registar

Moçambique/Ataques: Intervenção militar está a registar “progressos” – PM

O primeiro-ministro moçambicano disse hoje no parlamento que a resposta militar que tem sido dada, desde julho, à insurgência armada em Cabo Delgado, norte do país, está a registar “progressos”.

“Os progressos registados pelas Forças de Defesa e Segurança permitiram a abertura da circulação de pessoas e bens” e “uma parte da população que se havia deslocado para outros locais está gradualmente a regressar”, referiu Carlos Agostinho do Rosário, ao avaliar a ação conjunta com forças da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e do Ruanda.

“Neste momento, Forças de Defesa e Segurança, em coordenação com a SADC e o Ruanda, prosseguem com ações de limpeza, clarificação e consolidação dos locais recuperados”, acrescentou.

O primeiro-ministro respondia a questões dos deputados sobre a situação naquela província, numa sessão dedicada a perguntas ao Governo.

O governante lembrou que o executivo moçambicano apresentou um Plano de Reconstrução de Cabo Delgado, orçado em 300 milhões de dólares (258 milhões de euros).

No plano, 200 milhões de dólares (172 milhões de euros) são destinados à implementação de ações de curto prazo, que incluem a reposição da administração pública, unidades sanitárias, escolas, energia, abastecimento de água, entre outros aspetos. 

“Parte deste valor necessário para implementação das ações de impacto imediato já está assegurado por via da redistribuição do Orçamento do Estado”, declarou o governante, destacando também o apoio de parceiros internacionais, como é o caso do Banco Mundial, que anunciou, na segunda-feira, mais 100 milhões de dólares (86 milhões de euros) para apoiar aquele plano.

No que diz respeito à exploração de gás natural pela petrolífera Total em Cabo Delgado, o primeiro-ministro moçambicano disse que o Governo continua em contacto direto com a multinacional para encontrar soluções face à suspensão das atividades. 

“A suspensão de todas as atividades resultará no deferimento e atraso na arrecadação de receitas para o Estado, bem como num impacto negativo direto para as pequenas e medias empresas que estavam direta e indiretamente ligados ao projeto”, afirmou.  

O Governo moçambicano “está em contacto direto com a Total com vista a encontrar soluções para minimizar os custos decorrentes da suspensão dos contratos de fornecimentos de bens e serviços” pelas empresas, declarou. 

Segundo o primeiro-ministro moçambicano, a ação dos grupos rebeldes não tem fundamento lógico e diferencia-se de “uma guerra normal”.

Inclui crianças “instrumentalizadas” por “terroristas” que querem “promover interesses de determinadas pessoas ou grupos, abrindo espaço para o tráfico de armas, drogas e seres humanos”, declarou Carlos Agostinho do Rosário.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio internacional permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

EYAC // VM 

Lusa/Fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS