Moçambique. Intervenção internacional é inevitável para recuperar Palma , diz consultora NKC

A consultora NKC African Economics considerou hoje que uma intervenção internacional é inevitável no norte de Moçambique e salientou que o ataque da semana passada “foi estratégico” porque impede os trabalhos no megaprojeto de gás.

Moçambique. Intervenção internacional é inevitável para recuperar Palma , diz consultora NKC

Moçambique. Intervenção internacional é inevitável para recuperar Palma , diz consultora NKC

A consultora NKC African Economics considerou hoje que uma intervenção internacional é inevitável no norte de Moçambique e salientou que o ataque da semana passada “foi estratégico” porque impede os trabalhos no megaprojeto de gás.

A consultora NKC African Economics considerou hoje que uma intervenção internacional é inevitável no norte de Moçambique e salientou que o ataque da semana passada “foi estratégico” porque impede os trabalhos no megaprojeto de gás.

“O ataque a Palma foi um ataque estratégico, tendo em conta a proximidade com as operações da Total, e o ‘timing’ pode ter tido a ver com a decisão de recomeçar os trabalhos”, escreveu o analista Zaynab Mohamed numa nota enviada aos clientes, e a que a Lusa teve acesso.

No comentário à violência que se vive na região, Zaynab Mohamed acrescentou que “vai ser necessária uma intervenção internacional para recuperar o controlo e atingir a estabilidade na região”, já que a única estrada que pode levar mantimentos até à zona do megaprojeto de transformação do gás é controlada pelos terroristas.

“Devido à falta de desenvolvimento na área, só há uma estrada pavimentada para Palma, que alegadamente está sob o controlo dos insurgentes há várias semanas; se os militantes conseguirem manter o controlo de Palma também, isso tornará praticamente impossível que os trabalhadores do projeto tenham acesso a mantimentos via terra”, escreveu o analista.

Para Zaynab Mohamed, “a crise de segurança em Cabo Delgado está a tornar-se mais séria, porque os grupos armados presentes na região, apesar de estarem visíveis desde 2017, estão agora claramente mais preparados e mais coordenados, o que sugere que estão a receber apoio externo”.

Os equipamentos militares comprados pelo Governo moçambicano, considerou, não vão conseguir resolver o problema e por isso é preciso uma intervenção internacional.

“Quanto mais tempo demorar para ganhar terreno aos insurgentes, mais difícil será recuperar o controlo da área e recomeçar o trabalho no projeto de gás”, concluiu o analista.

O projeto Mozambique LNG consiste na exploração de gás ao largo da costa no campo Golfinho-Atum, na Área 1 da bacia do Rovuma, bem como a construção de uma central em terra.

A petrolífera francesa Total é a maior detentora do projeto, com 26,5%, seguida da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, com 16,5%, e mais cinco entidades multinacionais, com participações menores.

O projeto deverá começar a exportar gás em 2024, ano em que é previsível que as receitas do país subam exponencialmente, financiando os investimentos para o desenvolvimento económico de Moçambique.

A província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, é desde há cerca de três anos alvo de ataques terroristas e o último aconteceu no passado dia 24, em Palma, em que dezenas de civis foram mortos, segundo o Ministério da Defesa moçambicano.

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de duas mil mortes.

O movimento terrorista Estado Islâmico reivindicou na segunda-feira o controlo da vila de Palma, junto à fronteira com a Tanzânia.

Vários países têm oferecido apoio militar no terreno a Maputo para combater estes insurgentes, cujas ações já foram reivindicadas pelo autoproclamado Estado Islâmico, mas, até ao momento, ainda não existiu abertura para isso, embora haja relatos e testemunhos que apontam para a existência de empresas de segurança e de mercenários na zona.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS