MNE marroquino nega contactos com Espanha para ultrapassar crise política

O ministro marroquino dos Negócios Estrangeiros disse hoje que “não há contacto com Espanha desde a crise atual”, causada pela entrada em território espanhol do Secretário-Geral da Frente Polisario, Brahim Ghali, para ser hospitalizado em Logroño.

MNE marroquino nega contactos com Espanha para ultrapassar crise política

MNE marroquino nega contactos com Espanha para ultrapassar crise política

O ministro marroquino dos Negócios Estrangeiros disse hoje que “não há contacto com Espanha desde a crise atual”, causada pela entrada em território espanhol do Secretário-Geral da Frente Polisario, Brahim Ghali, para ser hospitalizado em Logroño.

O ministro Nasser Burita, entrevistado pela estação de rádio francesa Europe 1, negou explicitamente o que disse a ministra espanhola, Arancha Gonzalez-Laya, que, hoje de manhã, afirmou na Rádio Nacional de Espanha que os dois países estavam em conversações.

“Ao contrário do que diz a ministra não houve contactos desde o início da crise [em meados de abril] e, ao contrário também do que diz, nunca fomos informados sobre a chegada deste indivíduo” a Espanha, assegurou o ministro marroquino.

Nasser Burita fez a distinção entre a União Europeia e a maioria dos seus estados-membros, com os quais existem “muito boas relações”, e “uma atitude hostil da Espanha” que na sua opinião criou esta crise bilateral.

“Hoje existe um problema de confiança e respeito mútuo com Espanha”, acrescentou, mais explicitamente nos últimos dias: “Cabe agora à Espanha encontrar uma solução. Se optar pela saída [de Ghali] da mesma forma que entrou, estará a procurar agravar a crise ou mesmo a rutura”.

As palavras do ministro marroquino à estação de rádio francesa chegam após quase 24 horas de ausência de declarações, depois de uma semana agitada com constantes mensagens de aviso à Espanha sobre o destino de Ghali.

Marrocos aceitou, entretanto, o regresso de 7.500 pessoas das quase 9.000 que entraram na cidade de Ceuta, entre os que partiram voluntariamente e os forçados a regressar, de acordo com os números da Delegação do Governo em Ceuta e sem que Marrocos tivesse oferecido a mínima informação sobre o assunto.

No sábado, o Presidente do Governo, Saadedin Otmani, referiu-se à crise com Espanha, mas ignorou a crise migratória, concentrando-se antes em pedir aos países europeus “discursos claros” sobre o Saara Ocidental e recordou, numa alusão óbvia à Espanha, que Marrocos nunca tinha aceitado apoiar o separatismo catalão.

ATR // TDI

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS