MNE diz acompanhar preocupações de Borrell com decisão israelita de criar novos colonatos

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português indicou hoje que acompanha as preocupações do chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, com o plano de Israel para construir 3.000 novas casas para colonos judeus na Cisjordânia ocupada.

MNE diz acompanhar preocupações de Borrell com decisão israelita de criar novos colonatos

MNE diz acompanhar preocupações de Borrell com decisão israelita de criar novos colonatos

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português indicou hoje que acompanha as preocupações do chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, com o plano de Israel para construir 3.000 novas casas para colonos judeus na Cisjordânia ocupada.

“Acompanhamos as preocupações do Alto Representante para a Política Externa e de Segurança da União Europeia e vice-presidente da Comissão Europeia, Josep Borrell, com a decisão israelita de estabelecer novos colonatos. É uma decisão que dificulta o processo de paz”, escreveu o MNE na rede social Twitter.

A declaração do MNE português, dirigido por Augusto Santos Silva, surge um dia depois de 12 países europeus terem apelado a Israel para abandonar o seu plano, uma iniciativa também condenada pelos Estados Unidos.

“Apelamos ao Governo de Israel para reverter a sua decisão”, disseram os porta-vozes da diplomacia dos 12 países (Alemanha, França, Bélgica, Espanha, Itália, Polónia, Suécia, Noruega, Finlândia, Dinamarca, Países Baixos e Irlanda), num comunicado de imprensa conjunto.

Os países europeus reiteraram a sua “firme oposição à política de estender colonatos por todos os territórios palestinianos ocupados, o que constitui uma violação do direito internacional e prejudica os esforços para uma solução de dois Estados”.

As licenças de construção aprovadas a 27 de outubro dizem respeito a colonatos judeus de norte a sul da Cisjordânia.

Essa iniciativa já havia sido fortemente criticada pelos Estados Unidos antes mesmo da sua validação pelas autoridades israelitas.

A expansão dos colonatos “é totalmente contrária aos esforços para reduzir as tensões e garantir a calma e mina as perspetivas de uma solução de dois Estados”, disse na terça-feira o porta-voz da diplomacia dos EUA, Ned Price.

Cerca de 475.000 judeus israelitas residem na Cisjordânia, um território ocupado onde vivem 2,8 milhões de palestinianos.

A construção de colonatos, ilegal segundo o direito internacional, tem continuado sob todos os Governos israelitas desde 1967.

O novo anúncio surge numa altura em que o Governo toma medidas paralelas para melhorar a vida dos palestinianos, sem abordar a delicada questão de relançar o processo de paz.

Os 12 países europeus apelaram às duas partes para que continuem os seus esforços para “melhorar a sua cooperação e reduzir as tensões”.

ANC (CSR)//RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS