Missão da ONU na Guiné-Bissau prolongada por mais um ano mas deve encerrar até final de 2020

A Missão Integrada da ONU para a Consolidação da Paz e Segurança na Guiné-Bissau foi prolongada até fevereiro de 2020, mas vai ser reduzida após a conclusão do ciclo eleitoral.

Missão da ONU na Guiné-Bissau prolongada por mais um ano mas deve encerrar até final de 2020

Missão da ONU na Guiné-Bissau prolongada por mais um ano mas deve encerrar até final de 2020

A Missão Integrada da ONU para a Consolidação da Paz e Segurança na Guiné-Bissau foi prolongada até fevereiro de 2020, mas vai ser reduzida após a conclusão do ciclo eleitoral.

Bissau, 28 fev (Lusa) – A Missão Integrada da ONU para a Consolidação da Paz e Segurança na Guiné-Bissau foi prolongada até fevereiro de 2020, mas vai ser reduzida após a conclusão do ciclo eleitoral, devendo encerrar até final do próximo ano.

A decisão consta de uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que esteve hoje a analisar a situação na Guiné-Bissau, depois de uma visita realizada ao país entre 15 e 16 de fevereiro.

Na resolução, o Conselho de Segurança decide prolongar a missão por um período de 12 meses até fevereiro de 2020 e reconfigurar a missão, com vista ao seu encerramento no final do próximo ano.

A reconfiguração da Missão Integrada da ONU para a Consolidação da Paz e Segurança na Guiné-Bissau (UNIOGBIS) será feita em três fases, nomeadamente a fase eleitoral, em que se manterá com a atual configuração; a fase posterior às eleições, durante a qual vai começar a ser implementada a agenda de reforma e o plano de transição, e a fase de transição, que prevê a transferência gradual das competências e equipas para o Gabinete da ONU para a África Ocidental.

A terceira fase deverá ser concluída até 31 de dezembro de 2020.

A missão política da ONU na Guiné-Bissau teve início em 1999, após o conflito político-militar, e já teve nove representantes do secretário-geral das Nações Unidas.

“É tempo de facto de reformatar esta missão na Guiné-Bissau. Hoje parece-me evidente que depois de 20 anos é preciso refocalizar a missão das Nações Unidas no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, afirmou Delfim da Silva, embaixador da Guiné-Bissau junto da organização, em entrevista aos serviços de imprensa da ONU.

Segundo o diplomata, depois das eleições, a Guiné-Bissau só precisa de “um grande esforço interno e externo do ponto de vista de mobilização de parcerias internacionais para o desenvolvimento sustentável”.

“Este é o foco, quanto a mim, que deve enformar este período de reflexão sobre a nova configuração que vai tomar a missão das Nações Unidas na Guiné-Bissau”, disse.

MSE // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS