Ministro das Finanças britânico demite-se após recusar despedir assessores

O ministro das Finanças britânico, Sajid Javid, apresentou a demissão do Governo, no decorrer de uma remodelação governamental conduzida pelo primeiro-ministro, Boris Johnson.

Ministro das Finanças britânico demite-se após recusar despedir assessores

Ministro das Finanças britânico demite-se após recusar despedir assessores

O ministro das Finanças britânico, Sajid Javid, apresentou a demissão do Governo, no decorrer de uma remodelação governamental conduzida pelo primeiro-ministro, Boris Johnson.

O ministro das Finanças britânico, Sajid Javid, apresentou a demissão do Governo, no decorrer de uma remodelação governamental conduzida pelo primeiro-ministro, Boris Johnson. De acordo com a estação pública britânica, Javid terá recusado a “condição de despedir todos os seus assessores”.

Sajid Javid já tinha protagonizado um confronto com o gabinete do primeiro-ministro, quando a assessora Sonia Khan foi despedida em setembro sem aviso prévio pelo conselheiro de Boris Johnson, Dominic Cummings, que ordenou que lhe fosse retirado o telemóvel e que fosse escoltada pela polícia até ao portão dos edifícios do governo.

LEIA DEPOIS
Castro Verde | Lua de mel de família argentina acaba em tragédia

Ministras demitidas

A saída é uma surpresa, já que Boris Johnson tinha prometido manter Javid, o qual tinha previsto a apresentação do orçamento a 11 de março, apesar da especulação de que o secretário de Estado das Finanças, Rishi Sunak, poderia ser promovido.

Das mudanças conhecidas, sabe-se que as ministras da Economia, Andrea Leadsom, Ambiente, Theresa Villiers, e Habitação, Esther McVey, todas destacadas eurocéticas, foram demitidas. Destas três, apenas Andrea Leadsom tinha resistido à transição do governo de Theresa May, em julho, quando Boris Johnson assumiu funções e removeu a maioria dos ministros pró-europeus para se concentrar no processo do ‘Brexit’.

Demissão mais comentada foi a do ministro para a Irlanda do Norte, Julian Smith

McVey disse “lamentar” a demissão, mas disse que continuaria a apoiar o governo enquanto deputada, enquanto Leadsom afirmou ter sido um “privilégio” fazer parte de governos sucessivos durante seis anos, sob David Cameron, May e Johnson.

Porém, a demissão mais comentada foi a do ministro para a Irlanda do Norte, Julian Smith, que liderou o processo de restauração do funcionamento do governo e parlamento autónomos em janeiro, após três anos suspenso devido à falta de entendimento entre os partidos Sinn Féin e Partido Democrata Unionista (DUP).

“Em 8 meses como ministro, Julian, ajudou a restaurar o poder partilhado em Stormont, assinou um acordo connosco para evitar uma fronteira física, além da igualdade no casamento. É um dos melhores políticos da Reino Unido atualmente”, elogiou o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar. Entre os que ficam estão Dominic Raab, ministro dos Negócios Estrangeiros, Jacob Rees-Mogg, ministro dos Assuntos Parlamentares, Priti Patel, ministra do Interior, três destacados eurocéticos, e Michael Gove, chanceler do Ducado de Lancaster e ministro do Conselho de Ministros.

LEIA MAIS
Surfista Alex Botelho permanece estável mas com ventilação assistida
Gémeo emagrece 30 quilos para salvar a vida do irmão

Impala Instagram


RELACIONADOS