Milhares protestaram contra Jair Bolsonaro nas duas maiores cidades do Brasil

Milhares protestaram contra Jair Bolsonaro nas duas maiores cidades do Brasil

Milhares de pessoas manifestaram-se no sábado nas duas maiores cidades do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro, contra o candidato que lidera as eleições presidenciais.

São Paulo, Brasil, 30 set (Lusa) – Milhares de pessoas manifestaram-se no sábado nas duas maiores cidades do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro, contra o candidato que lidera as eleições presidenciais do país, Jair Bolsonaro.

Promovidos por grupos de mulheres nas redes sociais em setembro juntamente com a campanha “EleNão”, os protestos tiveram a adesão de grupos da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero), negros, movimentos sociais, artistas e militantes de partidos políticos.

A polícia militar informou que não faria uma estimativa de manifestantes em São Paulo, enquanto os organizadores disseram que reuniram 500 mil pessoas no largo da Batata e durante uma caminhada até a Avenida Paulista, zona que é tradicionalmente palco de grandes manifestações na cidade.

No Rio de Janeiro não foi divulgada também uma estimativa oficial do número de manifestantes. Os grupos feministas que organizaram o protesto no centro da cidade, nas proximidades da Cinelândia, disseram que se registou uma adesão de 200 mil participantes.

Os protestos contra o candidato de extrema-direita também se realizaram em outras 60 cidades do Brasil e em outros países, incluindo em Portugal, na capital, Lisboa, não existindo relatos de incidentes violentos em nenhuma das manifestações promovidas contra a candidatura de Jair Bolsonaro.

Em resposta ao movimento, apoiantes do candidato também realizaram eventos de apoio em 27 cidades brasileiras.

Candidato à Presidência do Brasil pelo Partido Social Liberal (PSL), Bolsonaro tem despertado a oposição de parte da sociedade brasileira que alega que este adotou, ao longo de sua carreira, discursos e posturas de cunho machista, homofóbico, racista, contra minorias e a favor do uso da violência indiscriminada para combater a criminalidade.

Bolsonaro lidera a corrida eleitoral com 28% das intenções de votos uma semana antes da primeira volta da eleição presidencial que acontecerá no dia 7 de outubro, mas é também o candidato com maior rejeição entre os eleitores.

Segundo a última sondagem divulgada pelo Instituto Datafolha, na sexta-feira, 46% dos brasileiros disseram que não votariam em Bolsonaro de maneira nenhuma. Esta oposição chega a atingir 52% entre as mulheres, que representam a maioria do eleitorado no Brasil.

A alta taxa de rejeição das mulheres em relação Bolsonaro, cujo voto pode ser a chave nas eleições, tem sido usada como uma arma pelos seus adversários.

Por outro lado, o candidato tem tentado moderar seu discurso, alegando que as declarações que fez sobre o papel das mulheres na sociedade brasileira foram mal interpretadas.

No mesmo dia em que milhares de brasileiros organizaram protestos para defender e atacar a candidatura de Bolsonaro, o candidato recebeu alta do hospital Albert Einstein, na cidade de São Paulo, onde recuperava de um atentado que sofreu no dia 06 de setembro, durante um comício.

CYR // JMC

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Milhares protestaram contra Jair Bolsonaro nas duas maiores cidades do Brasil

Milhares de pessoas manifestaram-se no sábado nas duas maiores cidades do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro, contra o candidato que lidera as eleições presidenciais.