Milhares protestam no Paquistão contra revogação da autonomia de Caxemira

Milhares de pessoas, na maioria simpatizantes de partidos islamitas, protestaram hoje em várias cidades do Paquistão contra a decisão da Índia de revogar o estatuto de autonomia da Caxemira, território disputado pelas duas potências nucleares.

Milhares protestam no Paquistão contra revogação da autonomia de Caxemira

Milhares protestam no Paquistão contra revogação da autonomia de Caxemira

Milhares de pessoas, na maioria simpatizantes de partidos islamitas, protestaram hoje em várias cidades do Paquistão contra a decisão da Índia de revogar o estatuto de autonomia da Caxemira, território disputado pelas duas potências nucleares.

O maior protesto realizou-se na capital, Islamabad, onde cerca de 8.000 apoiantes da maior formação islamita do Paquistão, o Jamaat-e-Islami, marcharam até perto da embaixada da Índia enquadrados por um dispositivo de segurança de cerca de 2.000 polícias e militares.

Em Lahore, capital da província do Punjab (leste), cerca de 3.000 pessoas responderam ao apelo do partido islamita Tehreek-e-Labbaik Pakistan (TLP) e marcharam pelas principais ruas da cidade até ao parlamento provincial gritando palavras de ordem contra a Índia.

O TLP é o partido que, no ano passado, promoveu grandes manifestações por todo o país contra a absolvição de Asia Bibi, uma cristã acusada de blasfémia que tinha sido condenada à morte.

O partido promoveu também hoje uma manifestação em Carachi (sul), em que participaram cerca de 600 pessoas.

Realizaram-se ainda manifestações em Peshawar e Hyderabad e na capital da Caxemira paquistanesa, Muzaffarbad.

A tensão entre a Índia e o Paquistão acentuou-se depois de o Governo nacionalista da Índia ter anunciado na segunda-feira a revogação da autonomia da Caxemira indiana.

O Governo de Nova Deli decidiu também dividir o Estado em duas regiões, uma que integra a Caxemira, de maioria muçulmana, e Jammu, de maioria hindu, e outra Ladakh, de maioria budista.

A Caxemira, nos Himalaias, é reivindicada na íntegra pelo Paquistão e pela Índia e dividida entre ambas as nações, que já travaram duas guerras pelo domínio daquele Estado.

O Paquistão reagiu à decisão indiana anunciando que vai pedir a intervenção das Nações Unidas por considerar que a decisão viola as normas internacionais que se aplicam aos territórios disputados.

Islamabad decidiu também reduzir o nível das relações diplomáticas com a Nova Deli, com a expulsão do embaixador indiano no Paquistão, a suspensão do comércio bilateral e a revisão de todos os acordos bilaterais.

Na sequência da decisão aprovada, a Índia impôs uma série de restrições de segurança ao território e reforçou o contingente militar na Caxemira com mais 25.000 militares.

MDR (JMC) // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS