Mercosul inicia na Argentina primeira cimeira após assinatura de acordo com UE

Os líderes dos países do Mercosul deram hoje início, na Argentina, à cimeira semestral do bloco económico sul-americano, a primeira após a recente assinatura de um acordo comercial, classificado como histórico, com a União Europeia (UE).

Mercosul inicia na Argentina primeira cimeira após assinatura de acordo com UE

Mercosul inicia na Argentina primeira cimeira após assinatura de acordo com UE

Os líderes dos países do Mercosul deram hoje início, na Argentina, à cimeira semestral do bloco económico sul-americano, a primeira após a recente assinatura de um acordo comercial, classificado como histórico, com a União Europeia (UE).

O Presidente da Argentina (país que detém a presidência rotativa do bloco), Mauricio Macri, abriu os trabalhos da cimeira, a decorrer hoje na cidade de Santa Fé (centro-leste), salientando “o momento histórico” que atravessa o Mercosul.

O bloco económico sul-americano, fundado em 1991 pela Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, organiza esta cimeira (a 54.ª) com um novo vigor por causa do acordo comercial assinado em junho com a UE, após quase 20 anos de negociações, e tenciona agora, segundo os líderes, firmar novos acordos de livre comércio com outros blocos e outros países.

A Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA, que integra Islândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein), Canadá e a Coreia do Sul estão entre as prioridades do Mercosul.

Outro foco dos trabalhos da cimeira será o debate de mecanismos que permitam que o acordo alcançado com a UE seja colocado em prática no menor tempo possível, uma vez aprovado pelo Parlamento Europeu.

Um dos documentos que deverá sair desta cimeira será uma declaração sobre a crise política na Venezuela, país atualmente suspenso do Mercosul e que atravessa uma crise política.

“Quero expressar, uma vez mais, a minha solidariedade para com o povo venezuelano que sofre uma crise humanitária sem precedentes na região”, afirmou Mauricio Macri, ainda na abertura dos trabalhos.

O Presidente argentino declarou ainda que reconhece a Assembleia Nacional (parlamento venezuelano) e o autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó, como a “única autoridade legítima na Venezuela”.

O Mercosul também quer aprovar nesta cimeira um conjunto de resoluções focadas na modernização da estrutura da organização e na dinamização do respetivo funcionamento.

Em Santa Fé, que na terça-feira recebeu as reuniões preparatórios da cimeira, estão também os Presidentes do Brasil (Jair Bolsonaro), do Paraguai (Mario Abdo Benítez) e do Uruguai (Tabaré Vázquez).

Sebastián Piñera, do Chile (país associado), e Evo Morales, da Bolívia, país que está em processo de adesão ao bloco económico, são outros dos líderes presentes na cidade argentina.

Também participam nesta cimeira representantes do Equador, Peru, Colômbia, Suriname e Guiana, países associados.

A cimeira em Santa Fé também vai marcar a passagem de testemunho na presidência rotativa do bloco, que passa a ser assumida pelo Brasil.

SCA // ANP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS