Médio Oriente: Reunião extraordinária do Conselho Direitos Humanos em 27 de maio

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas vai reunir-se em 27 de maio numa sessão extraordinária sobre o conflito israelo-palestiniano, anunciou a ONU.

Médio Oriente: Reunião extraordinária do Conselho Direitos Humanos em 27 de maio

Médio Oriente: Reunião extraordinária do Conselho Direitos Humanos em 27 de maio

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas vai reunir-se em 27 de maio numa sessão extraordinária sobre o conflito israelo-palestiniano, anunciou a ONU.

A reunião será organizada a pedido do Paquistão, como coordenador da Organização de Cooperação Islâmica, e das autoridades palestinianas, que reuniram assinaturas suficientes dos 47 países membros do Conselho, indicou a ONU num breve comunicado.

Na reunião, os países examinarão a “grave situação dos direitos humanos” nos territórios palestinianos ocupados, incluindo Jerusalém Oriental, referiu a nota.

O anúncio ocorre quando a diplomacia internacional está a atuar no terreno e nos bastidores para tentar encerrar a escalada da violência entre Israel e o Hamas, no poder na Faixa de Gaza.

O Conselho de Direitos Humanos realiza pelo menos três sessões ordinárias por ano, mas se um terço dos Estados membros assim o solicitar, pode decidir a qualquer momento realizar uma sessão extraordinária.

Desde a sua criação em junho de 2006, o Conselho de Direitos Humanos já realizou 29 sessões especiais destinadas a responder a situações de emergência, várias das quais condenaram Israel, particularmente sobre a situação em Gaza.

A reunião especial anterior sobre a deterioração da “situação dos direitos humanos no território palestiniano ocupado, incluindo Jerusalém Oriental” remonta a maio de 2018.

E a primeira sessão especial do Conselho, em 05 de julho de 2006, também esteve centrada “na situação dos direitos humanos nos territórios palestinianos ocupados”.

A atual escalada de violência na zona provocou a morte a 227 palestinianos em Gaza, entre os quais 64 menores, e 1.620 feridos.

Em Israel morreram 12 pessoas, entre as quais dois menores, e registam-se 340 feridos.

Os combates começaram em 10 de maio, após semanas de tensões entre israelitas e palestinianos em Jerusalém Oriental, que culminaram com confrontos na Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar sagrado do islão junto ao local mais sagrado do judaísmo.

Ao lançamento de ‘rockets’ por grupos armados em Gaza em direção a Israel opõe-se o bombardeamento sistemático por forças israelitas contra a Faixa de Gaza.

O conflito israelo-palestiniano remonta à fundação do Estado de Israel, cuja independência foi proclamada em 14 de maio de 1948.

CSR (FPA) // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS