Mário Soares é referência para presidência portuguesa da EU, diz Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que o antigo chefe de Estado Mário Soares, hoje homenageado pelo Colégio da Europa, em Bruges, Bélgica, será uma referência da presidência portuguesa da União Europeia, em 2021.

Mário Soares é referência para presidência portuguesa da EU, diz Marcelo Rebelo de Sousa

Mário Soares é referência para presidência portuguesa da EU, diz Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que o antigo chefe de Estado Mário Soares, hoje homenageado pelo Colégio da Europa, em Bruges, Bélgica, será uma referência da presidência portuguesa da União Europeia, em 2021.

Convidado para inaugurar o ano académico da prestigiada instituição, que escolheu este ano para patrono Mário Soares, Marcelo Rebelo de Sousa observou que “o Colégio da Europa não poderia ter feito melhor escolha”, comentando que o antigo Presidente “foi, é e será inspirador”, incluindo para a presidência portuguesa do Conselho da UE, num momento de grandes desafios para a Europa.

Numa sessão no ‘Concert Hall’ de Bruges com acesso muito limitado devido à pandemia da covid-19 — que levou de resto Marcelo a decidir viajar para a Bélgica e regressar ainda hoje a Portugal -, o Presidente da República, tal como o próprio já antecipara aos jornalistas portugueses antes do evento, ‘explicou’ aos jovens estudantes quem era Mário Soares, um “lutador apaixonado”, cujo lema era “apenas aqueles que desistem de lutar são derrotados”.

Focando muito a sua intervenção numa crítica ao atual estado de unilateralismo no plano mundial, mesmo numa época de pandemia, onde a solidariedade dá antes lugar a egoísmos nacionais e populistas, incluindo na luta por uma vacina contra a covid-19, Marcelo Rebelo de Sousa garantiu à plateia que “Mário Soares jamais aceitaria” o individualismo de hoje.

“Sonhou com um Portugal livre numa Europa forte e unida, não uma Europa onde os princípios fundamentais são esquecidos, sacrificados por conveniências de curto prazo. Por isso é que é o seu legado é uma referência para a presidência portuguesa da UE”, disse.

Ainda relativamente à presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, no primeiro semestre do próximo ano, o Presidente da República apontou como prioridades a implementação do plano de recuperação e resiliência da UE, a presença reforçada da Europa na cena mundial, o diálogo com África, Índia e Mercosul, a cimeira social e, acima de tudo, fechar o fosso entre instituições e políticos da UE e os cidadãos europeus.

A anteceder a intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa, coube à nova reitora do Colégio da Europa, Federica Mogherini, traçar um perfil de Mário Soares, que apresentou como um lutador e europeísta.

A antiga chefe da diplomacia da UE lembrou que “Soares assinou o pedido de adesão de Portugal às então comunidades europeias, em 1977, e depois conclui ele mesmo as negociações, assinando o tratado de adesão em 1985”.

“Ele percebeu que, trazendo Portugal para o processo de integração europeia, era a melhor forma de garantir que a democracia e a liberdade eram feitos irreversíveis. E, ao mesmo tempo, nunca parou de lutar por democracia e liberdade também na Europa”, sublinhou.

ACC // JLS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS