Marido de britânico-iraniana detida no Irão termina greve de fome de 21 dias

O marido de uma mulher britânico-iraniana, que está detida há mais de cinco anos no Irão, anunciou hoje o fim da sua greve de fome, frente ao Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico, que iniciou há 21 dias.

Marido de britânico-iraniana detida no Irão termina greve de fome de 21 dias

Marido de britânico-iraniana detida no Irão termina greve de fome de 21 dias

O marido de uma mulher britânico-iraniana, que está detida há mais de cinco anos no Irão, anunciou hoje o fim da sua greve de fome, frente ao Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico, que iniciou há 21 dias.

Richard Ratcliffe tem estado a dormir numa tenda fora da entrada principal do Ministério dos Negócios Estrangeiros, com o objetivo de pressionar o Governo britânico para que este assegure a libertação da sua mulher e de outros cidadãos britânico-iranianos detidos.

Começou a greve de fome no mês passado, depois de a sua mulher, Nazanin Zaghari-Ratcliffe, ter perdido o seu último apelo no Irão.

“Provavelmente esperávamos obter um avanço neste sentido. Ainda não o conseguimos”, disse Ratcliffe, acrescentando: “Eu não queria sair numa ambulância. Quero sair com a cabeça erguida”.

Ratcliffe disse que tinha começado a ter dores nos pés durante a noite e uma conversa com um médico persuadiu-o a acabar com a greve de fome. Disse que planeava ir a um hospital para ser examinado e espera poder comer alguma coisa depois disso.

Zaghari-Ratcliffe cumpriu cinco anos de prisão após ter sido detida no aeroporto de Teerão, em abril de 2016, e condenada.

Zaghari-Ratcliffe foi empregada na Fundação Thomson Reuters, o braço caritativo da agência noticiosa, e foi presa quando regressava da casa na Grã-Bretanha, depois de visitar a família.

Em maio, foi condenada a mais um ano de prisão sob a acusação de espalhar “propaganda contra o sistema” por ter participado num protesto no exterior da Embaixada do Irão em Londres, em 2009.

No mês passado, um tribunal de recurso confirmou o veredicto, que inclui uma proibição de viagem de um ano, o que significa que não poderá deixar o Irão antes de 2023.

O marido ficou desanimado após se ter encontrado, na quinta-feira, com o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, James Cleverly, na sequência de discussões que teve com funcionários iranianos em Londres.

Depois de descrever o seu encontro com Cleverly como “deprimente”, Ratcliffe disse que estava perto do fim da sua greve de fome “como uma estratégia”.

SMM // CSJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS