Marcelo diz que CPLP faz “acompanhamento permanente e solidário” da Guiné-Bissau

O Presidente afirmou hoje em Cabo Verde que os países da CPLP estão a fazer “um acompanhamento permanente e solidário” da situação na Guiné, com a preocupação de “não haver interferência”.

Marcelo diz que CPLP faz

Marcelo diz que CPLP faz “acompanhamento permanente e solidário” da Guiné-Bissau

O Presidente afirmou hoje em Cabo Verde que os países da CPLP estão a fazer “um acompanhamento permanente e solidário” da situação na Guiné, com a preocupação de “não haver interferência”.

Praia, 30 mai 2019 (Lusa) — O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje em Cabo Verde que os países da CPLP estão a fazer “um acompanhamento permanente e solidário” da situação na Guiné-Bissau, com a preocupação de “não haver interferência”.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas na cidade da Praia, onde hoje visitou uma associação de apoio a crianças em situação de vulnerabilidade, durante a escala que fez neste país, após participar nas Comemorações do Centenário da Confirmação da Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein, em São Tomé e Príncipe.

Questionado sobre a situação na Guiné-Bissau, Marcelo Rebelo de Sousa disse que esse foi um tema abordado no encontro que manteve ao final do dia de quarta-feira com o seu homólogo cabo-verdiano, que atualmente assume a presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“A nossa posição é a da generalidade de todos os membros da CPLP: todos os países têm o seu caminho a seguir em termos de soberania”, afirmou.

Naturalmente, acrescentou, “há um acompanhamento permanente, solidário, de todos os países em relação a todos os países, relativamente aos seus processos políticos, eleitorais, com a preocupação de não haver interferência”.

E defendeu que haja, “na medida do possível, o máximo de afirmação do que é a vontade de cada povo e Estados membros, expressa na Constituição e por via eleitoral”.

“Há muitas afinidades e vamos acompanhando, com grande fraternidade, sempre desejando o melhor. E o melhor é, para todos os países da CPLP, o respeito pelos direitos humanos, democracia, Estado de direito e por um conjunto de princípios comuns para a comunidade”, acrescentou.

O Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) venceu as eleições legislativas de 10 de março sem maioria, conseguindo eleger 47 deputados, mas fez um acordo de incidência parlamentar com a União para a Mudança, Partido da Nova Democracia e a Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau, juntos representam 54 dos 102 deputados do parlamento guineense.

Quase três meses depois das eleições legislativas, o Presidente guineense, José Mário Vaz, ainda não indigitou o primeiro-ministro, o que permitirá a formação do governo, alegando um diferendo para a eleição da mesa da Assembleia Nacional Popular (ANP).

Enquanto a maioria parlamentar considera que a mesa do parlamento foi eleita, o Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15, segundo força política) e Partido da Renovação Social (PRS, terceira força política) consideram que não.

SMM/RYPE(MSE) // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS