Mais de 7,2 milhões de pessoas saíram da Ucrânia

Mais de 7,2 milhões de pessoas saíram da Ucrânia devido à guerra, iniciada pela Rússia em 24 de fevereiro, e 2,3 milhões atravessaram a fronteira em sentido contrário até terça-feira, segundo dados divulgados hoje pela ONU.

Mais de 7,2 milhões de pessoas saíram da Ucrânia

Mais de 7,2 milhões de pessoas saíram da Ucrânia

Mais de 7,2 milhões de pessoas saíram da Ucrânia devido à guerra, iniciada pela Rússia em 24 de fevereiro, e 2,3 milhões atravessaram a fronteira em sentido contrário até terça-feira, segundo dados divulgados hoje pela ONU.

Mais de 7,2 milhões de pessoas saíram da Ucrânia por causa da guerra. De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), “os movimentos de regresso à Ucrânia podem ser pendulares e não indicam necessariamente retornos sustentáveis, uma vez que a situação na Ucrânia continua a ser altamente volátil e imprevisível”. Das pessoas que saíram da Ucrânia, 4,8 milhões estão registadas como refugiadas na Europa, tendo 3,2 milhões delas acionado o pedido de proteção temporária ou aderido a esquemas nacionais semelhantes.

Separatistas anunciam início da batalha por Sloviansk no leste da Ucrânia
As forças pró-russas da autoproclamada república popular de Donetsk na Ucrânia, reconhecida pelo Kremlin, anunciaram hoje o início da batalha por Sloviansk, que juntamente com Kramatorsk, serão os principais objetivos russos no Donbass (… continue a ler aqui)

A Polónia, com mais de 1,1 milhões de registos, permanece como o país que recebeu mais refugiados da Ucrânia. Dos países vizinhos da Ucrânia, seguem-se a Rússia (1,1 milhões) e a Moldova (mais de 86.200), embora para estes dois países não se aplique o pedido de proteção temporária, segundo o ACNUR. No resto da Europa, a Alemanha lidera a lista de registos de pedidos de proteção, com 565.821, seguindo-se a República Checa (mais de 366.490), a Espanha (118.122) e a Itália (97.314). Em Portugal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) atribuiu mais de 40.000 proteções temporárias a pessoas que fugiram da guerra na Ucrânia, segundo dados divulgados na segunda-feira.

O ACNUR assinalou que, apesar de a situação continuar perigosa na Ucrânia, têm sido “registadas passagens para trás e para a frente”. “Alguns atravessam [a fronteira] para a Ucrânia para avaliar a situação, verificar bens, visitar membros da família ou ajudá-los a partir”, disse a agência da ONU com sede em Genebra. Algumas das pessoas “vão para a Ucrânia ocidental e áreas em redor de Kiev e Chernihiv, onde tencionam ficar”, adiantou o ACNUR. No entanto, muitas das pessoas que voltaram à Ucrânia “encontraram as suas casas gravemente danificadas” e não conseguiram encontrar emprego, pelo que “não tiveram outra escolha senão partir de novo”. Todos estes movimentos refletem-se nos dados sobre o número de pessoas que atravessam as fronteiras ucranianas, assinalou a agência de refugiados da ONU.

A guerra na Ucrânia também originou mais de sete milhões de desalojados internos, ou seja, pessoas que tiveram de abandonar o local habitual de residência, mas que permaneceram no país. “A guerra da Ucrânia causou uma das maiores crises de deslocação humana no mundo de hoje. Milhões de refugiados atravessaram para os países vizinhos e muitos mais foram deslocados dentro do país”, assinalou o ACNUR. Numa nota à imprensa, a agência da ONU destacou que a solidariedade dos países que recebem refugiados “continua a ser extraordinária”. “Os Estados-Membros da União Europeia tomaram medidas sem precedentes, ativando rapidamente a Diretiva de Proteção Temporária pela primeira vez, assegurando o acesso à proteção e aos serviços para os refugiados da Ucrânia. Outros Estados europeus alargaram esquemas de proteção semelhantes”, acrescentou.

Além de refugiados, os mais de três meses de guerra na Ucrânia provocaram um número ainda por determinar de mortos e feridos, tanto civis como militares. Até terça-feira, a ONU tinha confirmado a morte de mais de 4.200 civis, incluindo 272 crianças, mas com o alerta de que o número será consideravelmente superior por ser difícil recolher informação em zonas cercadas ou onde os combates são intensos, como no leste do país.

Impala Instagram


RELACIONADOS