Liga dos Bombeiros diz que há condições para aceitar proposta do Governo sobre Proteção Civil

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses disse que existem condições para aprovar a última proposta do Governo de alteração à lei orgânica da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Liga dos Bombeiros diz que há condições para aceitar proposta do Governo sobre Proteção Civil

Liga dos Bombeiros diz que há condições para aceitar proposta do Governo sobre Proteção Civil

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses disse que existem condições para aprovar a última proposta do Governo de alteração à lei orgânica da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

À entrada para um conselho nacional extraordinário, em Pombal, Jaime Soares salientou, no entanto, que a proposta em cima da mesa “não é a que LBP queria”, mas que é “muito diferente da primeira, completamente diferente, mais de 180 graus entre uma e outra”.

“Acho que há condições para entendimentos e há uma coisa que é certa: não se pode continuar a adiar. Isto hoje tem de ficar decidido”, frisou o presidente da LBP.

Salientando que a liga levou as suas propostas “até ao limite daquilo que era possível”, Jaime Soares disse esperar que os bombeiros tenham “analisado bem” a proposta de alterações do Governo, “porque nesta coisa das negociações existem dois parceiros”.

“Agora o veredito final vai ser dado através daquilo que cada um pensa nesta matéria e vamos ver se encontramos os consensos necessários para sairmos deste impasse”, sublinhou, antes de entrar para a reunião do conselho nacional extraordinário, que vai decorrer durante o dia no quartel dos Bombeiros Voluntários de Pombal.

A proposta do Governo de alteração à Lei Orgânica da ANPC, que vai passar a designar-se Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, acaba com os atuais 18 comandos distritais de operações e socorro e cria cinco comandos regionais e 23 comandos sub-regionais de emergência e proteção civil.

Jaime Marta Soares disse que os bombeiros concordam com a criação dos cinco comandos regionais, mas não aceitam os 23 sub-regionais.

Em dezembro, como forma de protesto, a LBP deixou de comunicar informação operacional aos comandos distritais de operações de socorro durante 10 dias, tendo depois suspendido esta contestação devido à abertura do Governo para negociar.

As principais reivindicações da Liga passam por uma direção nacional de bombeiros “autónoma independente e com orçamento próprio” e um comando autónomo de bombeiros.

O ministro da Administração Interna já garantiu que a proposta do Governo prevê a criação de uma direção de bombeiros integrada na ANPC com autonomia financeira e orçamento próprio, cujo responsável máximo será designado depois de ouvida a Liga.

AMV (CMP) // JNM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS