Líder de Taiwan assinala determinação da ilha em defender-se de ataque da China

A líder de Taiwan invocou hoje um conflito armado de 1958 como exemplo da determinação do território em defender-se, face à possibilidade de a República Popular da China recorrer à força para unificar o território.

Líder de Taiwan assinala determinação da ilha em defender-se de ataque da China

Líder de Taiwan assinala determinação da ilha em defender-se de ataque da China

A líder de Taiwan invocou hoje um conflito armado de 1958 como exemplo da determinação do território em defender-se, face à possibilidade de a República Popular da China recorrer à força para unificar o território.

Durante um diálogo com investigadores do grupo de reflexão (‘Think Tank’) Hoover Institution, da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, Tsai Ing-wen referiu-se à Segunda Crise do Estreito de Taiwan, em 1958, quando o Exército chinês executou bombardeamentos prolongados nas ilhas Kinmen e Matsu, de Taiwan.

Para ler depois
Brasil: como os populistas usam a religião para vencerem eleições
Em 2 de outubro, o Brasil vai a eleições para escolher um novo Presidente. A probabilidade de vitória cai sobre dois rostos populistas com a religião como trunfo – um que esteve a braços com a Justiça e outro muito tentado pela justiça pelas próprias mãos: Lula e Bolsonaro (… continue a ler aqui)

Tsai disse que militares e civis trabalharam então juntos para proteger Taiwan. “Essa batalha para proteger a nossa pátria mostrou ao mundo que nenhuma ameaça pode abalar a determinação do povo taiwanês em defender a sua nação”, afirmou. “Nós vamos também mostrar ao mundo que o povo de Taiwan tem a determinação e a confiança para salvaguardar a paz, segurança, liberdade e prosperidade”, acrescentou. As visitas de políticos dos Estados Unidos e Japão ao território são cada vez mais frequentes.

Após a presidente da Câmara dos Representantes norte-americana, Nancy Pelosi, se deslocar a Taiwan – a visita de mais alto nível realizada pelos Estados Unidos à ilha em 25 anos – Pequim realizou exercícios militares em larga escala, que incluíram o lançamento de mísseis e o uso de fogo real. Durante quase uma semana, o Exército de Libertação Popular fez um bloqueio marítimo e aéreo de facto ao território.

Pequim vê as visitas de alto nível à ilha como uma interferência nos seus assuntos e um reconhecimento de facto da soberania de Taiwan. China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, após a derrota na guerra civil frente aos comunistas. Pequim considera Taiwan parte do seu território e ameaça a reunificação através da força, caso a ilha declare formalmente a independência.

Tsai disse mais tarde a deputados japoneses que a agressão contra Taiwan teria um grande impacto em toda a região do Indo-Pacífico. A delegação japonesa que se deslocou a Taipé é liderada por Keiji Furuya, um político conservador que lidera o grupo parlamentar Japão – Taiwan. Furuya criticou os exercícios militares da China num discurso proferido antes de reunir com Tsai. “As ações da China são inaceitáveis para os japoneses e taiwaneses que partilham os valores da democracia, Estado de direito e de respeito pelos Direitos Humanos. Nós opomo-nos a este tipo de ameaça por parte da China”, disse.

Furuya argumentou que o “mais importante” é que Taiwan coopere com a comunidade internacional, sobretudo o Japão e os EUA, para “suprimir completamente as tentativas da China de mudar o status quo”. Na segunda-feira, Tsai reuniu com o governador do Estado norte-americano de Indiana, que foi a Taipé discutir oportunidades de negócio e de cooperação académica com instituições taiwanesas na área dos semicondutores, indústria que Taiwan domina globalmente.

Impala Instagram


RELACIONADOS