José Mário Vaz disse ter evitado guerra entre guineenses

O Presidente cessante da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, disse que evitou uma guerra entre os guineenses ao não insistir no cumprimento da ordem para a entrada em funções do Governo de Faustino Imbali.

José Mário Vaz disse ter evitado guerra entre guineenses

José Mário Vaz disse ter evitado guerra entre guineenses

O Presidente cessante da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, disse que evitou uma guerra entre os guineenses ao não insistir no cumprimento da ordem para a entrada em funções do Governo de Faustino Imbali.

Num comício popular em Nhacra, na âmbito da campanha eleitoral, em que busca a sua reeleição no cargo no próximo dia 24, José Mário Vaz afirmou ter percebido que há uma divisão entre os militares, a polícia e a Guarda Nacional, que poderia levar a um conflito armado no país.

O também chefe de Estado notou que se apercebeu desta divisão nas duas reuniões que realizou no âmbito do Conselho Superior de Defesa do país, em que instou as Forças Armadas a cumprirem a sua ordem de despejo dos membros do Governo do primeiro-ministro, Aristides Gomes, que demitiu por decreto presidencial.

José Mário Vaz disse ter sentido que os militares estavam de um lado, e do outro estavam a polícia e a Guarda Nacional, em relação à sua decisão, mas sem que se perceba qual a força que estava do seu lado.

“Quando há esta divisão, o que é que as pessoas querem?”, perguntou o recandidato, recebendo como resposta da assistência: “Guerra”.

O político guineense afirmou que no primeiro dia da reunião do Conselho Superior de Defesa, na segunda-feira, “algumas pessoas disseram que não vão executar a ordem” de desalojar o Governo de Aristides Gomes, para permitir a instalação do executivo de Faustino Imbali.

Já no segundo dia da reunião, na terça-feira, ficou acordado que cada uma das forças “iria assumir com as suas responsabilidades”, indicou José Mário Vaz, para sublinhar que a sua ordem não foi cumprida.

“Falamos até quase à 01:00, chegamos a um acordo em como todos iriam assumir as suas responsabilidades. Já ontem [quarta-feira], tudo o que conversamos já não valia nada”, declarou Mário Vaz.

O dirigente guineense avisou os jovens que o país está ameaçado, mas que enquanto for Presidente não vai aceitar que haja derramamento de sangue na Guiné-Bissau, como “querem uma meia dúzia de pessoas, por causa do poder”.

“Não vou permitir que haja um conflito armado entre os militares e os irmãos da polícia”, defendeu José Mário Vaz, sublinhando que estar no poder não pode justificar uma guerra entre os guineenses.

Sobre a cimeira extraordinária de líderes da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), que decorre sexta-feira no Níger, justamente para abordar a crise política na Guiné-Bissau, José Mário Vaz disse que preferiu concentrar-se na sua campanha eleitoral.

“Sei o que me espera lá”, observou José Mário Vaz.

A Guiné-Bissau vive um momento de grande tensão política, tendo o país neste momento dois governos e dois primeiros-ministros: Aristides Gomes e Faustino Imbali.

A União Africana, a União Europeia, a CEDEAO, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e as Nações Unidas já condenaram a decisão do Presidente de demitir o Governo liderado por Aristides Gomes e disseram que apenas reconhecem o executivo saído das eleições legislativas de 10 de março, que continua em funções.

A CEDEAO, que vai reunir-se sexta-feira em cimeira para discutir a situação na Guiné-Bissau, deu na quarta-feira 48 horas aos ministros do Governo de Faustino Imbali para apresentarem a demissão, sob pena de lhes serem impostas “sanções pesadas”.

Na segunda-feira, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas ameaçou com novas sanções a todos aqueles que “minem a estabilidade” da Guiné-Bissau.

A Guiné-Bissau realiza eleições presidenciais a 24 de novembro e a campanha eleitoral, na qual participam 12 candidatos aprovados pelo Supremo Tribunal de Justiça, teve início sábado e termina em 22 de novembro.

MB // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS