Jerónimo de Sousa diz que política do Governo está enredada em

Jerónimo de Sousa diz que política do Governo está enredada em “contradições”

A política do Governo PS está enredada em “contradições” e a proposta de Orçamento para 2019 impede e limita a “resposta plena a questões centrais”, disse o secretário-geral do PCP.

Seixal, Setúbal, 03 nov (Lusa) — O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse hoje que a política do Governo PS está enredada em “contradições” e que a proposta de Orçamento para 2019 impede e limita a “resposta plena a questões centrais”.

“A política do governo minoritário do PS está crescentemente enredada em paralisantes contradições que impedem a resolução de muitos problemas nacionais. Contradições que se manifestam no plano político, económico e social e que não estão desligadas da sua opção de manter o país acorrentado às imposições da União Europeia e aos seus instrumentos de ingerência que limitam e impedem a resposta plena aos problemas nacionais”, referiu Jerónimo de Sousa.

O líder comunista falava à margem do Convívio Nacional de dirigentes e ativistas sindicais dos setores da Fiequimetal, que decorreu na Quinta da Atalaia, no Seixal, distrito de Setúbal, onde frisou que é necessária “uma política alternativa e uma alternativa política” que valorize não só o trabalho, os trabalhadores e os salários, mas também “que liberte o país da submissão ao Euro e das imposições e constrangimentos da União Eurpeia”, renegociando a dívida e investindo na agricultura, pesca e indústria.

“Para dar plena resposta aos problemas fundamentais dos trabalhadores, do povo e do país, sejam eles transportes, da habitação, da saúde, […] do elevado desemprego ou dos baixos salários e das preocupantes desigualdades sociais, é condição essencial arrepiar caminho de um passado de submissão e retrocesso nacional e assegurar a rutura com essas linhas de orientação, com a política de direita”, sublinhou.

Para o secretário-geral do PCP, os últimos anos da vida política no país mostraram que, “tal como não era com o PSD e o CDS, também não seria com o PS que se daria resposta aos problemas nacionais”.

Jerónimo de Sousa considerou, neste sentido, que a proposta de Orçamento do Estado para 2019 “é moldada por opções estruturantes da responsabilidade do Governo PS que limitam e, em diversos planos, impedem a resposta plena a questões centrais indispensáveis para assegurar desenvolvimento económico e social do país”.

No entanto, evidenciou, neste documento “não há nenhuma medida positiva que não tenha a marca e a intervenção do PCP”, como o aumento de pensões, o alargamento das condições de acesso à reforma de trabalhadores com longas carreiras, a extensão da gratuitidade dos manuais escolares até ao 12.º ano ou a redução de custos nos transportes públicos.

O líder comunista defendeu ainda que “é possível fazer melhor” e indicou algumas das propostas apresentadas pelo PCP no âmbito do debate da especialidade do Orçamento, que decorre na Assembleia da República, como a atualização dos escalões do Imposto sobre o Rendimento Singular (IRS), a criação de um novo escalão do Imposto sobre Imóveis (IMI) ou o reconhecimento dos trabalhadores das minas e pedreiras, “não apenas na idade de acesso à reforma, mas também nas condições em que a ela podem aceder”.

DYBS // MP

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Jerónimo de Sousa diz que política do Governo está enredada em “contradições”

A política do Governo PS está enredada em “contradições” e a proposta de Orçamento para 2019 impede e limita a “resposta plena a questões centrais”, disse o secretário-geral do PCP.